Loteamento Turístico Monte da Ribeira «repete erros do litoral no interior»

  • Print Icon

Associação ambientalista Almargem diz que projeto do Loteamento Turístico Monte da Ribeira, em São Brás de Alportel, repete os erros do litoral no interior algarvio.

Após uma prorrogação do prazo que quase passou despercebida, terminou a consulta pública da Avaliação de Impacte Ambiental do «Projeto de Loteamento Turístico Monte da Ribeira« localizado no concelho de São Brás de Alportel.

A Almargem considera que este empreendimento replica genericamente o modelo de desenvolvimento que tem pressionado o litoral do Algarve e em muitos casos contribuído para desqualificar a o ambiente e a identidade da região, fundamentais à preservação e perenidade do território, que começam a ser importados para o interior.

Com uma oferta de 909 camas, das quais 816 num aldeamento turístico, 81 num aparthotel, e as restantes 12 em moradias turísticas, o Loteamento Turístico Monte da Ribeira em São Brás de Alportel localiza-se na proximidade da localidade de Arimbo, e junto à Ribeira do Alportel, a pouco mais de 300 metros da Zona Especial de Conservação (ZEC)/Sítio de Interesse Comunitário do Caldeirão (SIC PTCON0057) e interromperá um dos corredores ecológicos reconhecidos pelo PROT-Algarve.

Estes corredores ecológicos são áreas com elevada importância ecológica onde se pretende assegurar a continuidade dos processos ecológicos entre as áreas nucleares e entre os territórios do interior e do litoral, neste caso integrado nos designados Corredores fluviais meridionais – ligam a faixa costeira meridional às áreas nucleares da Serra e do Barrocal, através de vales fluviais (ver mapa).

Usando o termo «turismo de natureza» várias vezes na sua apresentação, numa clara intenção de esverdear o projeto (Greenwashing), este empreendimento, segundo a Almargem, «replica o modelo insustentável que contribuiu para degradação ambiental de várias zonas, em particular no litoral, mas também no interior, e consequentemente para a desqualificação da paisagem e identidade do território».

Como tal, «considera-se que apreciação dos projetos deste tipo carece de maior atenção, sob pena de o seu desenvolvimento colocar em causa a proteção do território e a sustentabilidade da própria atividade turística. O perfil deste projeto parece ser de cariz eminentemente imobiliário, eventualmente especulativo, não sendo a sua dimensão compatível com a capacidade de carga deste território».

Suportado no Plano de Urbanização do Núcleo de Desenvolvimento Turístico (NDT) da Barragem do Monte da Ribeira aprovado em 2008, a concretização deste projeto fica muito aquém dos objetivos deste plano de «manter e preservar as zonas ambientais de características espontâneas ou importantes para o equilíbrio natural», talvez por defeito da caracterização deste próprio plano.

Pela sua localização, mas também magnitude, a Almargem entende que este Plano Municipal de Ordenamento do Território (PMOT), que foi aprovado há mais de 10 anos, «se encontra claramente desajustamento face ao extenso quadro legal entretanto publicado, nomeadamente a Convenção Europeia da Paisagem, e o novo PROT Algarve (aprovado em 2007), pelo que deveria ser reavaliado».

A Almargem considera por isso que «quer este plano e o consequente, quer este projecto deverão ser bem repensados de modo a criar um empreendimento verdadeiramente sustentável, o qual possa ter um papel dinamizador da área envolvente e eventualmente dinamizador do repovoamento de diversos pequenos aglomerados abandonados, restituindo ao território a carga humana necessária à sua salvaguarda e regeneração».

Desta maneira, a Almargem considera que o projeto em apreciação «deve obter um parecer fundamentado desfavorável. É urgente a mudança de paradigma dos modelos turísticos existente na região Algarvia, proteger os corredores ecológicos, e promover turismo de natureza verdadeiramente sustentável».