Socialistas algarvios reelegeram Luís Graça e Tatiana Homem de Gouveia

  • Print Icon

No âmbito das eleições internas no Partido Socialista (PS), os militantes socialistas algarvios reelegeram ontem Luís Graça para um segundo mandato como presidente da Federação Regional do Algarve do Partido Socialista, com 95 por cento dos votos expressos. Tatiana Homem de Gouveia foi eleita Presidente do Departamento Federativo das Mulheres Socialistas-Igualdade e Direitos, com 95 por cento dos votos expressos.

O ato eleitoral elegeu em simultâneo os delegados ao XVIII Congresso Regional, que se realizará em Faro a 12 de setembro.

Presidente do PS Algarve desde 2018, Luís Graça é presidente da Assembleia Municipal de Faro e Deputado na Assembleia da República, tendo apresentado a moção de estratégia «Algarve, A Nossa Força», na qual analisa sobre o momento atual da região e o violento impacto da epidemia da COVID-19 na economia da região.

Na presidência das Mulheres Socialistas da Federação do Algarve fica a partir de agora Tatiana Homem de Gouveia, advogada e deputada municipal em Faro, tendo apresentado a moção «Com todas, por todos».

A recém-eleita presidente das Mulheres Socialistas afirma que «é um momento difícil aquele que enfrentamos e as desigualdades sociais far-se-ão sentir de forma mais intensa, salientando que é preciso estarmos atentos e agir tendo em vista a mitigação das dificuldades que surgirão».

Luís Graça, após a contagem dos votos sublinhou que «o Algarve vai ultrapassar esta crise cumprindo os compromissos que em outubro passado o PS assumiu com a região e os algarvios, como a construção do novo Hospital Central do Algarve, a eletrificação da linha férrea, a implementação de um Plano de Segurança e Gestão Hídrica que nos garante água em qualidade e quantidade, uma nova redução das portagens na Via do Infante, um programa de habitação acessível nas nossas cidade e vilas, o Porto de Cruzeiros de Portimão e a navegabilidade do Guadiana até Alcoutim/ Pomarão, a construção das novas instalações da Polícia Judiciária, o combate às alterações climáticas e o reforço da biodiversidade e da excelência ambiental do Algarve são objetivos que mantemos e que com esta crise tornaram-se ainda mais decisivos e críticos».