Olhão tem um «grave problema de superpopulação de animais errantes»

  • Print Icon

Na última sessão da Assembleia Municipal de Olhão, o PAN- Pessoas – Animais – Natureza, questionou a autarquia sobre «se existe um problema de superpopulação de animais abandonados, algum programa de identificação, localização e contabilização das colónias e se está a ser implementado o programa de Captura- Esterilização e Devolução (CED) no município?»

No entanto, segundo informa o PAN, «passadas duas semanas, sem que tenha chegado qualquer resposta concreta com números e dados atuais, a informação que temos por parte das associações e movimentos de cidadãos, é que sim. Existe um grave problema de superpopulação de animais errantes no município».

Em nota enviada à imprensa na segunda-feira, 5 de agosto, o PAN denuncia que se trata de «um problema crescente associado à falta de medidas de controlo populacional ético. Embora muitas colónias já tenham sido identificadas pelas associações, informação a que a Câmara tem acesso, há mais de três anos, que não é implementado o programa CED por parte da autarquia».

Assim, «até agora a quase totalidade do trabalho desenvolvido nesta área está a ser feito por uma associação local e muitos munícipes dedicados».

Uma situação de «posições invertidas», já que «a intervenção diária no concelho e a implementação de medidas de acompanhamento deve ser responsabilidade da Câmara Municipal de Olhão».

Por outro lado, «o financiamento às associações é manifestamente curto. Está muito longe de conseguir suprir todas as suas necessidades e aquilo que se revela necessário para que o município possa finalmente tornar-se um exemplo de boas práticas em proteção e bem-estar animal».

«Quem recolhe, trata e se preocupa com os animais deixados ao abandono e os transporta até às clinicas veterinárias e os devolve neste momento não é quem tem a responsabilidade para tal, mas sim, as associações, grupos informais, cuidadores e tratadores».

«Em 2007, num programa televisivo, transmitido em direto, foi anunciado o novo canil municipal, estamos em 2019 e o mesmo nunca passou de uma promessa».

Por tudo isto, o PAN desafia a autarquia de Olhão a «criar um compromisso para reativar o programa CED a partir de setembro, com empenho total da autarquia atribuindo um financiamento associativo coerente com a realidade, e disponibilização de pessoas e meios, em vez de contar apenas com o trabalho e boa vontade das associações e grupos informais de cuidadores voluntários».

E aconselha ainda a Câmara a «eever, com o envolvimento de quem está a par da realidade, o projeto do novo Centro de Recolha Oficial de Animais (CROA) para que esteja de acordo com as reais necessidades do município e princípios de Bem-Estar Animal».

«Importa salientar que o PAN está disponível, como sempre, para apoiar e colaborar com a autarquia, associações, grupos informais de cuidadores e tratadores para um compromisso sério de resolver este e outros problemas do concelho de Olhão», conclui a nota.