CDU acusa PSD de esconder «o desastre» do município de VRSA

  • Print Icon

A Coligação Democrática Unitária (CDU) de Vila Real de Santo António (VRSA) enviou hoje, segunda-feira, 6 de maio, uma nota à imprensa onde acusa o Partido Social Democrata (PSD) de continuar «a esconder a realidade e as suas responsabilidades no desastre do município de VRSA».

«Numa clara tentativa de esconder a actual realidade do município e as responsabilidades do PSD no desastre para onde conduziu a Câmara de Vila Real de santo António, a maioria PSD/São Cabrita, desdobra-se em declarações como aquela que produziu na semana passada através do facebook e de uma nota de imprensa. A divulgação de alguns números – da dívida, do património, por parte do PSD na Câmara, como se de um grande feito se tratasse, carecendo sempre de confirmação posterior, são uma gota de água que não alteram a situação estruturalmente insustentável em que se encontra o município», acusa aquela força comunista.

A CDU «sublinha a profunda hipocrisia por parte da actual presidente da Câmara Municipal que, tendo participado activamente nos atos de gestão anteriores a 2017, procura agora apagar esse mesmo percurso. O novo executivo de que fala a presidente, mais não é do que uma tentativa de se desligar da responsabilidade que teve ao lado de Luís Gomes no afundamento do município».

A CDU considera ainda que «seja com Luís Gomes ou com Conceição Cabrita, aquilo que marca o concelho são os mais de 13 anos de gestão PSD com as consequências que estão à vista».

Os comunistas contestam «as medidas de que o PSD agora fala», por exemplo, «a reavaliação de eventos; maior critério nos apoios sociais e às colectividades; reavaliação das taxas e impostos, não decorrem de uma opção de gestão, mas da impossibilidade prática e legal – como se pode revelar no relatório da IGF – Autoridade de Auditoria – de continuar o caminho desastroso que se conhece. Medidas que, como a população já percebeu, se estão a traduzir na degradação dos serviços da Câmara, no agravamento de taxas e impostos, numa vida pior para as populações do concelho. Aliás, se a maioria PSD estivesse de facto interessada em promover uma nova política tinha muito por onde caminhar como tem defendido a CDU, designadamente na defesa do património e da gestão pública, em vez da negociata das privatizações; na integração na CM de muitos dos serviços que são contratados ao exterior em vez da sua externalização, ou numa revisão profunda da situação existente na SGU».

Na nota, a CDU lamenta ainda «a política da mentira permanente, sendo que a mentira do momento é a de que o novo executivo está a resolver os problemas que o anterior deixou. Mentiras que ficaram particularmente expostas, tal como a CDU divulgou, na recente auditoria da IGF às contas do município».

Por fim, a CDU diz «que se continuará a bater pela máxima transparência na gestão da autarquia e por uma alternativa à gestão PS e PSD que há mais de 20 anos tem sido imposta ao concelho».