Os sábios preferem o silêncio

  • Print Icon

Atingir bons resultados exige capacidade em enfrentar desafios indesejados, inconsequentes e desfasados da realidade. A «Guerra dos Tronos» ou «Como fazer amigos e influenciar pessoas» de Dale Carnegie são bons orientadores e inspiram a excelência na confiança e respeito.

Métodos de gestão variam consoante a área em causa mas no «b…á…bá» do bom técnico há três pilares em que a sua aplicação, no global, resulta – comunicar, persuadir e negociar. Que plano de desenvolvimento pessoal, das competências interpessoais, possuem os responsáveis em geral?

Líder é o que vibra com o crescimento das pessoas e dos seus projetos, com a sua satisfação e com a felicidade em geral. Liderança não se deve confundir com autoridade. A nossa identidade está no processo de identificação que vamos construindo. O termo identificação em psicologia presta-se a uma certa dificuldade porque é utilizado em dois sentidos:

  • Identificação como operação mental de reconhecimento, como atividade gnóstica (gnosis);
  • Identificação como movimento construtivo da personalidade.

Palavras apressadas não combinam com sabedoria. Os sábios preferem o silêncio. E nos seus poucos dizeres está condensada uma parte inesgotável de sabedoria. A profundidade da fala pede-nos calma.

Ver e ouvir os serviços de notícias das três ou quatro estações de televisão é pena capital. A banalidade reina. O lugar-comum impera. A brutalidade passa por emissão. A submissão ao poder. Falta cultura e escasseia inteligência.

Aproxima-se a fase de «oferecer quase tudo». O Algarve vai ser, mais uma vez, ignorado pelo poder central e «acarinhado» pelo local!

Que sustentabilidades existem? A habitação social «praticamente» não consta nos Orçamentos de Estados (OE) e nos concelhios.

A população envelhece e nós assistimos! Reformas paupérrimas e um Serviço Nacional de Saúde (SNS) frágil que os devia amparar. Não há instituições suficientes nem unidades na Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) e estas crescem exponencialmente. Os lares/instituições não têm uma verdadeira credibilidade moral.

O verão que está a finar já nos alertou — não percam a galinha dos ovos de ouro… há que encontrar alternativas ao sol! A praga do Alojamento Local (AL) vai afastando os proprietários principalmente em condomínios fechados. A lei é perversa.

Para alterar o que quer que seja o parecer do condomínio é indispensável. Para obter a licença de AL o condomínio é ignorado e é completamente invadido não havendo qualquer controlo!

desordem e anarquia são um facto. Uma realidade unívoca. De julho a setembro deixámos de viver no paraíso… Ficámos a saber o que é o inferno!

Já passámos por muita coisa… Agora querem que sejamos um resort gigante com a experiência do all inclusive. Estamos completamente entregues aos caprichos dos mercados internacionais. A primeira «prenda» já nos foi entregue — falência da Thomas Cook. Aguardem pelas consequências.

Mário de Freitas | Provedor da Santa Casa da Misericórdia de Alvor