O Messias e a Via do Infante

  • Print Icon

Foi numa tarde solarenga de verão que, vindo das longínquas terras da capital, um Messias, de seu nome António Costa, desceu às planícies do sul, onde viviam os súbditos que a República conquistara ao Reino dos Algarves. Num tom ameno, mas confiante, o Messias relevou trazer consigo uma profecia de bradar aos céus. Uma boa nova sob a forma de promessa anunciada: «reduzirei de imediato as portagens em 50 por cento. A Via do Infante será tendencialmente gratuita». O povo aplaudiu. Correram lágrimas de alegria e a esperança de ver um Algarve livre das clientelas da capital encheu de ânimo os homens.

«Vinde até mim, pois sou a esperança que buscais, de Lagos a Vila Real de Santo António, ou de Faro a Portimão. Irmãos, o caminho é uma Via do Infante sem portagens. Palavra dada é palavra honrada», jurou o Messias. As santas palavras exigiram, contudo uma fé cegas nas escrituras sagradas, um derradeiro sacrifício anunciado em outdoors divinos: «Voto útil é no PS».

O senhor descansou ao sétimo dia, e por coincidência, o dia das eleições calhou a um domingo. O rebanho foi às urnas e cumpriu a vontade de Deus. Foi então que, 26 dias, 11 meses, e 2015 anos depois de Cristo, o novo salvador descia à Terra, percorrendo a calçada da Rua de São Bento. Iluminados pela magnificência do todo poderoso, apareceram dois reis magos: Jerónimo e Catarina. Não trouxeram incenso, ouro ou mirra, mas ofereceram algo muito mais valioso: um pacto de fé, no qual juraram prestar vassalagem ao Messias durante os quatro anos.

O povo do sul, e até os mais crentes, ainda não viram um vislumbre da profecia. Porém, que se acalmem os espíritos dos mais inquietos, pois as antigas escrituras, como a Lei Eleitoral da Assembleia da República, revelam que o Messias há-de regressar ao Algarve, no ano de 2019. E qual Judas Iscariotes disfarçado, é quase certo que voltará a entregar a A22 aos seus captores por trinta moedas de prata. A boa fé dos eleitores, essa, é que não será a mesma…