Depósitos de Lenha de Sobreiros Secos

  • Print Icon

Na fotografia, mostra-se um dos depósitos de madeira dos sobreiros que «secam» e se estão a cortar no montado do centro e sul do país.

Existem inúmeros depósitos como este, que se podem ver facilmente ao lado das estradas nacionais.

Esta fotografia foi tirada nos Foros de Vale Figueira, povoação entre Montemor-o-Novo e Lavre, mas há outro ainda maior em Lavre, outro em Patalim na estrada Montemor-o-Novo para Évora, etc.

Passam os tratores vindos do campo, onde trabalhadores rurais se encarregam de cortar os sobreiros «secos».

Os atrelados vêm carregados de troncos a caminho destes depósitos, o que entrou em rotina e já não desperta a curiosidade das pessoas.

As fotografias destes depósitos de sobreiros dão a ideia concreta da desertificação em curso: são milhares as árvores que estão a morrer progressivamente enquanto a maioria da população do país, refugiada nas urbes, ignora ou tenta ignorar os problemas na natureza.

Assinalei as palavras «secam» e «secos» porque, na maioria dos casos, não é a falta de água no solo o fator determinante neste processo de declínio do montado.

Com efeito, o aumento de temperatura global provocou a proliferação de fungos patogénicos do solo, entre esses a Fitóftora, pseudo-fungo que faz apodrecer as raízes finas das árvores.

Publiquei recentemente um artigo sobre um fungicida de nome BLAD descoberto pelo Professor Doutor Ricardo Boavida Ferreira, do ISA, que uma aluna na sua tese prática de Mestrado de Agronomia, Engª Margarida Bairrão, demonstrou ser também eficaz na proteção de sobreiros e cuja homologação para Portugal se espera que venha a acontecer (está a ser utilizado nos Estados Unidos no tratamento de árvores de fruto).

Com efeito, a Secretaria de Estado da Agricultura e Alimentação já informou que o processo de aprovação desta substância ativa está em curso na União Europeia.

Mas outro fator determinante neste problema é que os solos no centro e sul do país estão muito ácidos (com pH inferior a seis) e para estes valores de acidez a disponibilidade dos nutrientes é bloqueada para todas as plantas – sejam elas as pastagens ou as árvores.

Há muitos fatores naturais que causam constantemente a acidificação dos solos e nas explorações terá de ser feito um controle do nível da acidez.

Quando necessário e para a sua correção, faz-se a aplicação de calagens, ou seja, a distribuição de carbonato de cálcio, dolomite ou equivalente na terra.

Ora as calagens são caras e o agricultor não tem capacidade para as realizar, a menos que seja subsidiado por medidas do governo.

Diga-se que o governo conhece a situação e não só o governo Português: também a Comissão Europeia conhece a mancha atlântica destas árvores singulares que são os sobreiros, e estarão interessados em defender esta espécie em risco!

Este artigo tem uma intenção que é contribuir para que se pare a morte das árvores através dum apelo dirigido ao governo: que crie medidas em permanência de subsídio às calagens (e ao mesmo tempo uma vigilância eficaz da sua aplicação).

E já agora peço que crie também em permanência medidas de subsídio para as proteções do renovo espontâneo de sobreiros, quando necessário, em áreas de pastagem.

António Aleixo Pais Vacas de Carvalho | Engenheiro Mecânico