UAlg licencia os primeiros alunos do curso de Gestão Marinha e Costeira

  • Print Icon

Na matriz fundacional da Universidade do Algarve esteve sempre presente o Mar, elemento que continua a ser uma das suas áreas estratégicas prioritárias.

Neste sentido, a UAlg tem apostado largamente nesta área de ensino, criando um curso de licenciatura inovador e único no País, em Gestão Marinha e Costeira, que acaba de formar os primeiros licenciados.

Com uma duração de três anos, o curso tem como provas de acesso um dos seguintes exames nacionais Biologia e Geologia, Matemática A ou Geografia e contempla um estágio no final da licenciatura.

Na semana passada, os primeiros alunos apresentaram os trabalhos desenvolvidos em várias empresas e entidades: Doca Pesca; Marlagos – Iniciativas Turísticas, S.A; Albumarina – Sociedade Gestora de Marinas, S. A; Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA); Centro de Ciência Viva do Algarve (CCVAlg); e Comissão Coordenadora da Região do Algarve (CCDR Algarve).

Bruno Silva realizou o seu estágio no Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), na estação de Tavira, no âmbito da geologia marinha, focando-se na caraterização e análise de sedimento da praia das Belharucas e, posteriormente, na alimentação artificial da praia.

A terminar a licenciatura, o aluno considera que «este curso tem tudo o que é necessário para ser um bom gestor marinho e costeiro», uma profissão que, na sua opinião, «faz falta a e engloba várias áreas».

Na Marlagos – Iniciativas Turísticas, S. A estagiou Daniel Coelho. O seu trabalho teve como objetivos instalar pontos de recolha de resíduos e sensibilizar os utentes para a poluição que existe nos dias de hoje.

Para tal, produziu panfletos sobre diferentes problemáticas e tentou reduzir a quantidade de macro e micro resíduos presentes na água, sugerindo a instalação de um SeaBin (caixote do lixo flutuante, fabricado com materiais reciclados e equipado com uma bomba que suga a água juntamente com o lixo, os detritos e até o óleo).

Apresentou, ainda, uma proposta para recolha e análise de água e sedimentos de modo a monitorizar a presença de determinadas substâncias que, muitas vezes, não são tidas em conta, como microplásticos, fármacos e metais.

Para Daniel, este é «um curso bem estruturado, com uma formação muito ampla», que «aconselha a qualquer» interessado nestas matérias.

«Ponta Final» foi o projeto desenvolvido por Cristina Vital, no Centro de Ciência Viva (CCV) do Algarve.

A aluna procurou integrar uma economia circular nas beatas, ou seja, desenvolver a sua reciclagem sustentável. Este projeto enquadrou-se noutros já existentes no Centro.

O processo da reciclagem das beatas foi testado várias vezes e em diversos contextos, quer na tentativa de criar adubo, quer na definição da sua composição. Contudo, este projeto ainda está em construção e a aluna pretende manter contacto com o CCV e com a UAlg de forma a concretizar o projeto.

Para Cristina Vital, este curso é muito «abrangente e multidisciplinar».

Pedro Antunes foi recebido na Docapesca e integrado na administração.

Em colaboração com a Associação Portuguesa de Lixo Marinho tentou sensibilizar a comunidade piscatória para que recolhesse e transportasse para terra o lixo produzido durante a sua atividade, para depois ser reciclado.

Para o aluno, este é «um curso com muito potencial porque existem poucas pessoas formadas numa área tão abrangente».

Pedro Antunes garante ainda que «é um curso com muita saída» profissiona, tal como pode constatar na Doca Pesca onde teve uma proposta de emprego.

O curso de Gestão Marinha e Costeira pretende capacitar os estudantes para a gestão sustentável das diversas atividades relacionadas com o mar, bem como formar profissionais capazes de intervir e colaborar na definição de políticas, na gestão integrada do mar e do litoral, na exploração sustentável e utilização dos recursos marinhos e na preservação e valorização do património natural, histórico, cultural e social relacionado com o oceano, as zonas costeiras e a economia azul.

Em relação às saídas profissionais, esta licenciatura permite aos seus diplomados o exercício de funções em empresas particulares de exploração dos recursos marinhos e costeiros e do turismo e, também, em organismos públicos nacionais e estrangeiros, responsáveis pela definição das políticas para o mar e orlas costeiras.

Na altura da sua criação, Ana Paula Vitorino, ministra do Mar, congratulou a Universidade do Algarve pela abertura do curso de Gestão Marinha e Costeira, elogiando «o empenho desta instituição na formação de recursos humanos qualificados nas disciplinas das Ciências do Mar, e salientando o objetivo expresso desta licenciatura de sustentar e dinamizar o setor empresarial em vários domínios da economia do mar».

Mais informações sobre o curso de Gestão Marinha e Costeira aqui.