UAlg e MARK 6 combatem a COVID-19 com o fabrico de zaragatoas

  • Print Icon

Perante a atual crise que o país enfrenta, a MARK 6, uma startup algarvia de prototipagem e inovação, vencedora do concurso IDEIAS EM CAIXA 2016 promovido pela Universidade do Algarve (UAlg), está a canalizar a sua atividade para colmatar a escassez de zaragatoas utilizadas nas colheitas de despistagem à COVID-19, produzindo diariamente cerca de 300 unidades.

«Inicialmente, embora tivéssemos contactado a UAlg apresentando soluções para produzir câmaras de desinfeção UV-C, máscaras com filtro, máscaras e válvulas de venturi para oxigénio, depois de uma conversa com a diretora do curso de Medicina, Isabel Palmeirim, percebeu-se que a maior necessidade se relacionava com a produção de zaragatoas», recorda Joana Pedroso, estudante de Marketing na academia algarvia e cofundadora da empresa.

E assim fizeram. «Testamos para verificar se era o pretendido e neste momento estamos já produzir 300 por dia, mas pretendemos aumentar esta quantidade», explica Daniel Varela, pós-graduado em Design e Prototipagem Rápida pela UAlg e também cofundador da MARK 6.

Para Isabel Palmeirim «esta mobilização entre as empresas e a universidade é de suma importância porque nos permitiu ultrapassar um constrangimento maior na colheita de material biológico para análise à COVID-19 e mostra o quão frutuosa pode ser a cooperação entre a academia e o mundo empresarial».

Ao entrarem em contacto com a UAlg, através do CRIA – Divisão de Empreendedorismo e Transferência de Tecnologia, perceberam qual a melhor forma de ajudar e, em parceria com a Universidade e com o Centro Académico de Investigação e Formação Biomédica do Algarve, que assume a designação de ABC – Algarve Biomedical Center, elaboraram vários modelos até chegarem ao mais adequado e iniciaram a produção.

Atualmente, refere Joana Pedroso, «estamos a trabalhar com voluntários e a melhorar o método de fabrico para conseguir aumentar a capacidade de produção».

Com o intuito de disponibilizar ao país as zaragatoas que são necessárias, partilharam a nível nacional o método de fabrico que desenvolveram para que mais entidades consigam produzi-las.

As zaragatoas são esterilizadas pela UAlg e, nesta fase, são entregues exclusivamente ao Algarve Biomedical Center (ABC), para utilizar na despistagem à COVID-19 no drive-thru junto ao Estádio Algarve e no projeto «COVID +70» que está a rastrear todas estruturas para idosos na região.

Nuno Marques (à direita) mostra as zaragatoas produzidas em Loulé ao autarca Vítor Aleixo e à secretária de Estado Adjunta e da Saúde Jamila Madeira.

Todas estas colheitas de despistagem são posteriormente analisadas no Centro de Investigação em Biomedicina (CBMR) da UAlg.

O MARK 6 – Centro de Prototipagem foca-se no desenvolvimento de projetos de inovação para empresas e estudantes.

Utiliza as tecnologias de prototipagem rápida para desenvolver produtos e equipamentos. Desenvolve a sua atividade no Ninho de Empresas, em Loulé, desde outubro de 2019.