ETIC_Algarve organiza uma tarde para caçar talentos

  • Print Icon

«Acima de tudo vim ver. No mercado atual, precisamos de pessoal muito bem formado, muito bom ao nível técnico, com uma visão bem presente da realidade. Gente com aquela décalage que havia antigamente entre o ensino e o mundo profissional. Felizmente, escolas como esta estão a estreitar essas pontes», descreveu Maia Coimbra, da empresa algarvia «Ideias Frescas», que já soma 20 anos de experiência.

«As empresas com alguns anos de mercado precisam mesmo de sangue novo, de uma injeção de novas formas de pensar. Vi aqui alunos com trabalhos fantásticos, com um conhecimento muito bom e uma linguagem muito atualizada em relação às exigências que hoje se colocam. Fiz alguns contactos com os alunos, e provavelmente vou ter relações profissionais com alguns deles muito em breve», concluiu.

Pedro Filipe, pós-produtor de imagem, e a colega grega Constantina Tsangaris, da «Ginger Candy» vieram propositalmente de Lisboa. «Temos um projeto em desenvolvimento no Algarve. Ainda não está fechado, mas se avançar, terá que ser feito a partir daqui. É para uma empresa inglesa que vai precisar de tratamento de imagem em quantidade. Facilitava muito o workflow se tivermos técnicos locais», explicam. A dupla veio à procura de talentos locais com um conhecimento avançado da ferramenta «Photoshop».

Délio Mendes, da «Critérios Criativos», com sede em Portimão, explicou-nos a sua presença. «Enquanto responsável de uma agência de imagem e comunicação, acho uma excelente ideia trazer os empresários da área criativa a conhecer os alunos. Falei com cerca de dez, todos eles são potenciais candidatos. Mediante as nossas necessidades, há pelo menos dois que poderão vir a ser desafiados para trabalhar connosco já nos próximos meses», observou.
Mónica Freire, de Albufeira, fez a licenciatura em artes visuais e multimédia em Évora e é aluna finalista do curso de realização da ETIC_Algarve. «Esta formação deu-nos experiência profissional, estivemos sempre a fazer trabalhos de campo. Era isso que procurávamos. Penso que a competência técnica que adquirimos vai permitir entrar mais facilmente no mercado de trabalho».

A colega Sofia Guerreiro, de Carvoeiro, concorda e acrescenta: «o evento correu bem. Temos que ter iniciativa para conseguirmos conhecer as empresas, mas foi uma comunicação fácil. Colocou-nos também a par da realidade fora do contexto escolar», disse a aluna que se apresentou a quatro empresas da área do vídeo.

Nuno Ribeiro, diretor da ETIC_Algarve, fez um balanço positivo. «Como primeira experiência que foi, tive a perceção que as empresas presentes saíram daqui com uma enorme satisfação, pela ideia, pela iniciativa, e pelo tipo diversificado de alunos que conheceram. Este é um evento que já se realiza desde há três anos na ETIC Lisboa e que tem ganho cada vez mais adeptos. Tenho a certeza que para o próximo ano, teremos aqui o dobro das empresas», sintetizou.

O ETIC_Algarve Speed Hunting 2015 fez parte do evento «Creative Lab», mostra de final de ano, que incluiu ainda uma exposição de multimédia, desfile de moda, e a apresentação dos documentários realizados pelos alunos sobre o Moto Clube de Faro e o Bar Bafo de Baco (em Loulé). Os alunos do curso técnico de som entregaram o trabalho gravado e masterizado para o grupo local «Fad’nu». No final, houve um concerto com a banda «Mundo Pardo».

ETIC_Algarve vai criar ninho de empresas

«Percebemos ao longo deste ano letivo que se abriram todo um conjunto de portas», em consequência da mudança das instalações da escola, de Portimão para Faro.

«Fomos muito mais contactados no sentido comercial, no sentido da realização de trabalho, a nível do vídeo, da fotografia e do design. Isto faz com que estejamos já a projetar um ninho de empresas, para que os alunos, quer no decorrer, quer após a sua formação, possam desenvolver projetos reais, para clientes reais, com orçamentos reais», revela Nuno Ribeiro.

A ideia é que a escola possa também servir de incubadora de start-ups. Do ponto de vista pedagógico, «os desafios são sempre constantes nestas áreas. Por isso, abrimos este ano formações em concept art, game design e mobile development». Outra novidade na calha «é uma parceria com a Orquestra de Jazz do Sul. Vamos avançar com três cursos: instrumento básico, instrumento avançado e jazz e música moderna».

Relativamente à procura, «o ano passado duplicámos o número de alunos. Desde que chegámos a Faro, o interesse e os pedidos de informação são diários. Claro que isso não se formaliza diretamente em inscrições, mas pelo menos, há uma procura, um despertar, para atualização ou complementaridade» de conhecimentos já adquiridos, para quem quer «mudar de vida» ou abraçar novos desafios profissionais.

Fotos: André Ribeiro/ Etic_Algarve.