Vento e canto direto tramaram Portimonense frente ao Rio Ave

  • Print Icon

Algarvios podiam sair da zona de despromoção e até começaram bem, mas acabaram derrotados na visita ao Rio Ave.

O Portimonense deslocou-se hoje, quinta-feira, 9 de julho, a Vila do Conde, para defrontar o Rio Ave, numa partida a contar para 31ª jornada do campeonato.

Ciente da importância da partida, Paulo Sérgio surpreendeu com a inclusão de Anzai no onze inicial – o nipónico jogou no flanco direito, desviando Hackman para o centro da defesa, que foi composto por três elementos – ao ganês, juntaram-se Lucas Possignolo e Jadson.

Os alvinegros entraram mexidos, a jogar a favor do muito vento que fustigava o Estádio dos Arcos e, ao minuto cinco, Bruno Tabata atirou com perigo à baliza de Kieszek mas a bola foi desviada. Na sequência do canto, já ao minuto seis, Ricardo Vaz Tê entrou com tudo e cabeceou para o fundo das redes, fazendo o primeiro para a equipa algarvia.

O jogo corria bem à turma de Paulo Sérgio mas, ao minuto 20, o técnico viu-se confrontado com a lesão de Dener. Pedra fundamental na manobra da equipa, o brasileiro foi substituído por Rômulo.

Diz-se que um mal nunca vem só e, ao minuto 33, o árbitro Rui Costa, após longa consulta ao VAR, assinalou pénalti para o Rio Ave, por mão de Jadson. Na conversão, momento clássico: bola para um lado, guarda-redes para outro, e Taremi devolvia a igualdade ao jogo.

A turma de Portimão não respondeu mal à dupla-contrariedade e, num lance semelhante ao que deu golo, voltou a criar perigo: Bruno Tabata cobrou um pontapé de canto e, no centro da área, Vaz Tê cabeceou com muito perigo (45′). Um minuto depois, o Portimonense investiu novamente com muito perigo – Rômulo, numa carambola, disparou um forte remate à baliza, parado em cima da linha por Aderllan Santos, e na recarga Hackman permitiu a defesa a Kieszek, perdendo a chance de alterar o resultado antes do intervalo.

No regresso dos balneários, foi a vez do Portimonense lidar com o vento forte que soprava – a progressão da bola para o ataque era mais complicada e, defensivamente, a situação complicava-se com trajetórias algo traiçoeiras. O Rio Ave aproveitou, naturalmente, para aumentar o assédio à defensiva adversária.

Ao minuto 86, Gonda teve de se aplicar para afastar um canto perigoso de Lucas Piazon. No entanto, também na sequência de um canto, aos 90 + 1 minutos, Filipe Augusto, anichou a bola no fundo das redes, beneficiando do forte vento. Uma forte contrariedade para os portimonenses.

Com este resultado, a equipa algarvia soma 27 pontos e fica a três do Vitória de Setúbal, primeira equipa acima da zona de despromoção.

Na próxima jornada, a número 32 do campeonato, o Portimonense recebe o Boavista, numa partida marcada para terça-feira, 14 de julho, às 19h15.