Vegana mais antiga do Algarve manda todos à FAVA 2019

  • Print Icon

Fátima Lourenço tornou-se vegetariana há 40 anos, numa época em que mal se ouvia falar do termo. Hoje, com 63 anos, é responsável por uma mercearia vegan em Tavira, e vê com bons olhos a Feira do Ambiente e Vegan do Algarve (FAVA).

A Feira do Ambiente e Vegan do Algarve (FAVA) regressa pelo segundo ano consecutivo a Loulé, nos dias 18 e 19 de julho, uma iniciativa que conta com o aplauso de Fátima Lourenço, talvez a vegana mais antiga do Algarve.

Com 63 anos, e natural de Boliqueime, eliminou a carne e os produtos lácteos da sua alimentação quando ainda tinha 20 anos. Mais tarde, retirou o peixe e os ovos e adotou aquilo que descreve como «filosofia de vida».

«Primeiro tornei-me vegetariana devido à saúde. Não gostava de carne. Dava-me mal com o leite de vaca. Mais tarde acabei por retirar o peixe e os ovos da minha dieta e assumir-me como vegan» recorda.

Segundo conta, há quatro décadas, ter uma alimentação diferente do comum não era fácil porque no mercado mainstream «só existia a soja. Era muito difícil, mas comia o máximo de variedade de verduras possíveis. Depois foram surgindo várias alternativas, aos poucos. Tenho imensas receitas porque já fiz uma longa caminhada».

Segundo Fátima, hoje, quem se quiser tornar vegan tem a tarefa facilitada: «basta ir à Internet. Há imensas opções. O tofu e o seitan podem ser feitos de mil maneiras». Apesar de tanta informação disponível, a veterana revela que «ainda há pessoas que me perguntam se só como alface».

Mais tarde, quando nasceram as filhas, Fátima recorda que foi por iniciativa delas que seguiram os passos da mãe. Foi também nessa altura que a família Lourenço se deparou com alguns obstáculos. «Na escola, ambas tiveram dificuldades. Tinha de falar muitas vezes com a direção. A minha filha mais nova era muito criticada», lembra.

Alguém que decida seguir a dieta vegan, deve «ter consciência. Não pode ser uma decisão tomada apenas por ser moda. Há que ir a um nutricionista porque tem de haver controlo. Depois é o aprender a cozinhar».

Além de diferenças na alimentação, o veganismo passa também por se ter outros cuidados redobrados, sobretudo a nível ambiental, e evitar o consumismo. «Não utilizo qualquer produto que seja testado ou contenha algo de origem animal. Seja maquilhagem ou qualquer outro produto de higiene. No vestuário, não uso lã e já vão havendo sapatos vegans. Utilizo o mínimo de plástico possível e compro tudo a granel. Em casa, a nossa energia provém de painéis solares fotovoltaicos. Depois, só compro uma coisa nova se tiver mesmo falta. Reciclo tudo», descreve.

Questionada sobre a Feira do Ambiente e Vegan do Algarve (FAVA), em Loulé, Fátima Lourenço considera que é um evento único para toda comunidade, e só não vai estar presente por motivos profissionais.

«É um orgulho já existir um evento como este que me toca tanto no peito», conclui.

A FAVA 2019 vai acontecer junto ao monumento Eng. Duarte Pacheco, na quinta e sexta-feira, 18 e 19 de julho, a partir das 18h30.

Esta é a segunda edição consecutiva do evento organizado pela Associação Vegetariana Portuguesa, com o apoio da Câmara Municipal de Loulé e Loulé Adapta, e que volta a apresentar um programa de concertos, palestras, muitas tasquinhas e outros expositores, com a missão de sensibilizar e promover um estilo de vida mais saudável, responsável e ético, amigo dos animais e ecologista.

Na FAVA estarão presentes projetos sociais e ambientais, várias organizações, assim como empresas e marcas com uma mensagem ecologista, propostas para uma transição alimentar sustentável, economia circular, moedas sociais, energias verdes, transporte e construção sustentáveis, redução da produção de lixo urbano, assim como uma agricultura familiar e sem agrotóxicos.

Tavira tem mercearia vegan

A mercearia Veganices, em Tavira, gerida por Fátima Lourenço, a vegana mais antiga do Algarve, inaugurou a 25 de agosto de 2018 com um conceito inovador.

«O nosso lema é ajudar o planeta a livrar-se do plástico. Toda a decoração, como os móveis e o chão são de materiais reciclados.

Até a energia que utilizamos provém de fonte reciclável», explica Fátima ao «barlavento».

A comunidade tem aceite bem o sortido, que tem um pouco de tudo, desde farinhas e detergentes, produtos de beleza e de higiene, frescos, frutas, bebidas, e até preservativos biodegradáveis.

Apesar da mercearia ser recente, projetos para o futuro não faltam, como um atelier para «workshops de roupa vegan, serigrafia ou transformação de plástico, palestras e terapia holística». Todos os dias há opções para almoço.