Special 21 quer nadadores com Síndrome de Down nos paralímpicos

  • Print Icon

Projeto albufeirense Special 21 tem novo website onde continuará a reclamar, agora perante o mundo, a elegibilidade e igualdade paralímpica dos nadadores com Síndrome de Down.

A apresentação pública do novo website do Special 21, projeto ligado ao Futebol Clube Ferreiras (FCF) que luta pela criação de uma classificação paralímpica para atletas com Trissomia 21/Síndrome de Down, contou com uma adesão entusiástica.

Crianças com necessidades educativas especiais, professores, fundadores, entidades oficiais e muitos curiosos assistiram ao lançamento da plataforma, na quinta-feira, 12 de dezembro, no Conrad Algarve, em Almancil.

Este novo sítio de internet foi oferecido pela empresa farense Dengun, e nele pode ser consultada toda a informação sobre o projeto, a sua história e equipa constituinte, incluindo os seus três fundadores, António Colaço, Sónia Demétrio e Cyril Griffith.

E foi precisamente António Colaço, presidente do Futebol Clube Ferreiras, que começou por usar da palavra, «para agradecer pelo trabalho magnífico» desenvolvido por aquela agência digital, e não só.O dirigente do clube quis também deixar a sua gratidão «a todos os envolvidos no projeto Special 21».

António Colaço Special 21
António Colaço

Nestes, inclui-se a Câmara Municipal de Albufeira que «tem um grande destaque por todo o apoio financeiro e cedência de instalações, assim como hotel Conrad Algarve, que nos preparou este magnífico evento» e tem sido parte ativa no projeto, através da sua diretora Katharina Schlaipfer, e a Associação de Crianças Carenciadas do Algarve (ACCA).

Esta relação «muito forte» com o FCF foi certificada por José Carlos Rolo, presidente do município, que reafirmou «o apoio dado por Albufeira ao desporto em geral, e ao adaptado em particular. Estamos empenhados em criar condições para que estas pessoas tenham uma vida o mais plena possível».

O edil albufeirense destacou o grande crescimento deste movimento, chegando mesmo a afirmar que «as nossas piscinas começam a ser relativamente pequenas para tanto sucesso. Se o crescimento continuar, podemos vir a ter outras necessidades».

José Carlos Rolo
José Carlos Rolo

E o Special 21 até conseguiu uma pequena vitória. Trata-se do «Campeonato Mundial para atletas com Síndrome de Down de 2022, organizado pela Down Syndrome International Swimming Organisation (DSISO), que será realizado em Albufeira. Vamos unir todas as entidades da cidade à volta deste evento. Estes atletas têm de ser incluídos e não o oposto», sentenciou Rolo.

Também fundadora do projeto, Sónia Demétrio aproveitou a apresentação para explicar que, apesar de não ter ainda atingido o seu objetivo inicial «estamos muito ativos com o projeto Mergulhar no Futuro. Vamos às escolhas do concelho, e proporcionamos aulas de natação às crianças com necessidades especiais, com qualquer deficiência», disse, acrescentando que «já são 11 os estabelecimentos de ensino envolvidos, entre os Agrupamentos de Ferreiras e Albufeira Poente».

Todos os envolvidos neste mergulho inclusivo recebem «um fato de banho e uma touca», existindo sempre a possibilidade de, com o tempo, transitarem para a equipa competitiva do FCF.

Sónia Demétrio, Special 21
Sónia Demétrio

Cyril Griffith, capitão do Laranjal Golf Club e outro dos fundadores, britânico residente em Portugal desde 2014, tomou contacto com esta realidade «discriminatória» em 2012, «nos jogos paralímpicos de Londres. O evento teve ampla cobertura mediática devido à atleta Ellie Simmonds, uma nadadora com nanismo que obteve ótimos resultados. Ela conseguiu estar lá mas, ao mesmo tempo, um grupo de jovens com Trissomia 21 estava impedido de competir por estas burocracias».

Quando se mudou para Portugal conheceu o nadador Filipe Santos, acabando por apoiar a sua ida ao mundial da DSISO no México. Sensibilizado pela causa, «percebi que podemos fazer a diferença na vida de muitas crianças».

Foi assim que se lançou na criação deste projeto de integração, divulgando o mesmo pela sua rede de contactos e conseguindo o reconhecimento de Geoff Smedley, presidente da DSISO que nesta cerimónia, através de um vídeo, deixou a sua mensagem de apoio ao Special 21.

Por agora, foi dado mais um passo na caminhada desta equipa rumo ao objetivo e Sónia Demétrio promete não parar: «Queremos a igualdade para os atletas com Síndrome de Down, e não vamos desistir. Até lá, continuaremos a acreditar nestas crianças – não só nos seus grandes sucessos, mas também nas suas conquistas diárias».

Conrad Algarve apoia o Special 21
Katharina Schlaipfer e Cyril Griffith

Recorde Mundial impulsionou Special 21

O projeto Special 21 foi criado em 2015, pela mão de António Colaço, presidente do Futebol Clube de Ferreiras, Sónia Demétrio, vice-presidente da mesma instituição, e Cyril Griffith, capitão do Laranjal Golf Clube.

Na altura, o nadador Filipe Santos, portador de Síndrome de Down, bateu um recorde mundial de 50 metros mariposa, ao serviço do Futebol Clube Ferreiras. O choque deu-se quando a sua participação paralímpica, mesmo com tão brilhante resultado, foi negada, gerando revolta e necessidade de fazer algo para tentar mudar uma realidade «injusta e cruel. Chegámos à conclusão que nenhum atleta portador desta deficiência se poderia classificar, porque não encaixam, em igualdade, em nenhuma das classificações existentes», reiterou Sónia Demétrio.

Atletas são reconhecidos em Portugal

A Federação Portuguesa de Natação reconhece a classificação dos atletas portadores de Síndrome de Down, tendo criado a S21. Para os fundadores do Special 21, António Colaço, Sónia Demétrio e Cyril Griffith, esta é uma premissa que dá ainda mais força às suas motivações: «se podem competir por cá, porque não internacionalmente?», questionam. Para tentar dar resposta a várias reivindicações, foi criada a Down Syndrome International Swimming Organisation (DSISO), que organiza competições mundiais para estes nadadores. Sónia Demétrio foi taxativa: «é de louvar, mas ainda não é suficiente para elevar o nível destes atletas para patamares semelhantes aos portadores de outras deficiências, que têm oportunidade de competir nos jogos paralímpicos».

IPDJ apoia e tem sonhos e projetos em incubação

Custódio Moreno marcou presença no Conrad Algarve, na quinta-feira, 12 de dezembro, para a apresentação do website do Special 21. O diretor regional do Instituto Português do Desporto e da Juventude (IPDJ) mostrou-se efusivo e congratulou Albufeira por ser «um município amigo do desporto».

O dirigente revelou que a sua entidade apoiou a pratica desportiva na região com meio milhão de euros em 2019, e que a deficiência terá um olhar especial no próximo ano: «o desporto adaptado é prioritário para 2020. Terei muito para conversar com os fundadores deste projeto».

Moreno revelou, ainda, que tem «um sonho: criar um calendário regional de desporto adaptado, onde não interesse a competição, mas sim a diversão e a inclusão. O nosso papel é apoiar o desporto para todos». Por agora, está garantida uma reunião no dia 6 de janeiro, em conjunto com a Associação de Futebol do Algarve, «onde estarão presentes todas as associações de modalidades do Algarve». Para o dirigente, «qualquer que seja a deficiência portada por um indivíduo, todos têm direito ao desporto. Antes dos atletas, existem as pessoas!».