São Brás de Alportel inaugura Casa Memória da Estrada Nacional 2

  • Print Icon

Quilómetro 722, da Estrada Nacional 2 (EN2), é agora paragem obrigatória para todos os viajantes, com um espaço dedicado aos cantoneiros e à valorização do património local.

Junto ao Largo de São Sebastião, no cruzamento entre a maior estrada regional (ER270) e a maior via do país, inaugurou no sábado, dia 22 de agosto, a Casa Memória da EN2, localizada em São Brás de Alportel, onde é possível revisitar a história do passado e deixar memórias para o futuro.

O edifício, onde se localizava a 8ª Secção de Conservação das estradas do distrito de Faro, encontrava-se encerrado desde o início dos anos 1980. Quatro décadas depois, reabre ao público para revelar os segredos dos cantoneiros, mostrar quais os utensílios utilizados pelos canteiros de obra e contar a história de vários homens que, desde 1975, uniram esforços para se construir a maior estrada da Europa.

Casa Memória da Estrada Nacional 2

Vitor Guerreiro, presidente da Câmara Municipal de São Brás de Alportel, abriu a cerimónia, revelando que se trata de um edifício de enorme relevância para a comunidade. «Significa mais um passo importante na valorização do património edificado e do património imaterial, acima de tudo da memória das nossas gentes e da nossa população. A EN2 em boa hora foi lançada como rota turística e têm sido muitos os municípios ao longo do país, que têm tentado valorizar a história desta Estrada. São Brás cresceu ao longo da mesma e é um privilégio viver neste concelho que é uma porta aberta à serra e tem como janela o mar».

Para o edil, «São Brás tem muito para oferecer: património natural, imaterial e o edificado. Este polo museológico representa tudo isso. Esta é uma homenagem aos canteiros, aos cantoneiros e a todos ao que por aqui passaram. Este é um dia importante no que toca à memória da nossa população e que toca nas pessoas. Tudo aquilo que fazemos é virado para as pessoas e é isso que deve estar na génese das nossas execuções e dos nossos projetos».

O presidente da autarquia deixou ainda uma mensagem aos turistas, «extremamente importantes para a economia local e nacional», enaltecendo a importância dos mesmos para a região. «Temos medo da pandemia, mas há outra pandemia, que todos estamos a viver, que são as dificuldades económicas. Com cuidado e com regras de segurança, o Algarve é seguro e sem dúvida que estamos de braços abertos para receber os turistas que tão importantes são para o concelho».

Por outro lado, para a vice-presidente da edilidade são-brasense, Marlene Guerreiro, a Casa Memória da EN2 é «um sonho que se cumpre. Um edifício que guarda ferramentas, móveis, documentos, saberes de muitas jornadas somadas que não voltam mais, a alma dos cantoneiros e a vida de estrada. Transborda de história».

Como detalhou a vice-presidente, no rés do chão da Casa Memória apresenta-se a casa de cantoneiros, onde se guarda um vasto conjunto de ferramentas e utensílios dos trabalhos que se realizavam para construir e preservar a via. Conservam-se móveis desenhados para a função e à medida das necessidades da época. Já no primeiro andar, encontra-se a secção de conservação, onde se conta a história do chefe Matias, o responsável que fiscalizava os trabalhos dos cantoneiros. «Uma personalidade ímpar, cuja história de vida em muito se confunde com a da EN2», acrescentou.

Na mesma sala, há ainda espaço para um cabide de memórias, onde qualquer viajante pode pendurar uma fotografia ou um objeto. Ao lado, um caderno para poderem ser escritas as histórias e memórias de uma viagem pela EN2. Na varanda, há ainda espaço para se tomar o chá do viajante. Segundo Marlene Guerreiro, «conforta quem está a chegar ao destino, ou inspira aqueles que ainda estão a começar a jornada».

João Fernandes, presidente da Região de Turismo do Algarve (RTA) e Francisco Serra, presidente da  Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) do Algarve, marcaram também presença na cerimónia. O primeiro, ao microfone, disse que se trata de um projeto que a todos orgulha e que valoriza todo um território. «Vamos continuar a dinamizar a EN2 porque é uma riqueza para todos, uma vez que une o interior. Essa união valoriza um território que merece ser olhado com outro carinho e dinamizado com outra aposta», finalizou.

Uma vez que os fundos monetários para a edificação da Casa Memória da EN2 foram conseguidos através de um financiamento comunitário, Francisco Serra retorquiu que São Brás de Alportel deve ser tomado «como um exemplo de animação local. Não só a nível da preservação do património e da importância que se atribui ao mesmo, mas também na pro-atividade que tem demonstrado para encontrar os meios financeiros para viabilizar estes sonhos e estas visões».

O momento mais aguardado foi quando o secretário de Estado do Planeamento, José Mendes, mostrou ter cumprido com a sua palavra. No dia 31 de julho, depois de pedalar por toda a EN2, chegara a São Brás de Alportel, prometendo que na inauguração da Casa Memória, marcaria presença, independentemente do dia que fosse. Todo o seu entusiasmo e exemplo, fizeram com que a autarquia são-brasense o convidasse para ser padrinho do novo edifício.

No uso da palavra, o governante elogiou a autarquia e mostrou ser um marco importante para toda a região. «Neste concelho encontra-se um conjunto de atributos que fui reconhecendo ao longo do país. Temos, de facto, coisas que são únicas, irrepetíveis e que devemos mesmo valorizar. Portugal é um país autêntico, onde somos capazes de acrescentar valor, e é isso que estamos a fazer aqui hoje. Esta cerimónia começou a ser planeada há 75 anos, quando foi feita a estrada. Temos de ter esta dimensão no tempo para perceber que temos de ir acrescentando elos de valor de tal forma que possamos, no caso do Algarve, resolver dois problemas estruturais, a sazonalidade e a mono-economia. O turismo não é mono-economia, tem muitas vertentes, mas temos de ser capazes de diversificar. Dou os parabéns a esta autarquia porque tem a capacidade de perceber como podemos reinventar estas coisas. Esperemos não ficar por aqui».

Para visitar a Casa Memória da EN2, ou obter mais informações, basta contactar via telemóvel (960 448 075/289 840 210), ou através de email ([email protected]/[email protected]).