Portimonense vence Boavista por 2-1 e deixa zona de despromoção

  • Print Icon

Algarvios chegaram a estar afundados abaixo da linha de água, desde a jornada 15, mas conseguiram chegar à zona segura da classificação, ainda que em igualdade pontual com os emblemas adversários.

O Portimonense recebeu hoje, terça-feira, 14 de julho, o Boavista, em partida a contar para a jornada 32 da Liga NOS, que se assumia como mais uma final para o emblema algarvio na luta pela manutenção.

Os comandados de Paulo Sérgio sabiam que, em caso de vitória, chegariam aos lugares seguros da classificação, em igualdade pontual com Vitória de Setúbal e Tondela, mesmo que dependentes do resultado dos beirões, que jogam mais tarde, e entraram com a corda toda: logo aos cinco minutos, Lucas Fernandes obrigou Helton Leite a uma bela defesa, com um remate fortíssimo.

Pouco depois, a caminho do minuto nove, foi a vez de Junior Tavares fazer uso do seu forte remate da meia distância e obrigar o guardião dos axadrezados a aplicar-se novamente.

Perante a pressão que os homens de Portimão iam conseguindo exercer sobre o Boavista, foi sem surpresa que o golo algarvio chegou: Willyan, na sequência de um canto cobrado na direita, cabeceou para o fundo das redes (14′) e abriu o placard.

Os pontapés de canto têm sido um dos pontos fortes do Portimonense no regresso da competição e, ao minuto 19, num lance muito idêntico ao do golo, Hackman cabeceou com muito perigo, quase ampliando a vantagem da sua equipa.

A partida caiu numa toada mais morna mas os alvinegros nunca perderam o controlo. Ao minuto 40, Aylton Boa Morte partiu do flanco esquerdo e, numa jogada genial, passou por vários adversários e assistiu Bruno Tabata, que foi carregado nas costas por Obiora. O árbitro Manuel Mota assinalou pénalti e, na conversão, Lucas Possignolo atirou bem colocado e fez o 2-0 (42′), valorizando ainda mais a boa réplica dada pelos anfitriões na primeira metade.

A etapa complementar arrancou com alguma desconcentração algarvia: ao minuto 59, um péssimo atraso deixou Cassiano com o golo à Mercê, mas uma grande mancha de Gonda aos pés do avançado brasileiro evitou o golo boavisteiro.

O lance despertou o conjunto de Paulo Sérgio, que respondeu com um remate de Junior Tavares, defendido com mestria por Helton Leite (59′). Na sequência do canto, foi Vaz Tê a cabecear para nova defesa gigante, por instinto, do guardião da equipa portuense.

O Boavista ganhou algum ascendente com o passar dos minutos mas sofreu um forte revés ao minuto 75: Bruno Tabata arrancou e Yusupha, que já tinha cartão amarelo, teve de recorrer à falta para travar o internacional brasileiro. O gambiano sofreu a segunda admoestação e viu o consequente cartão vermelho.

No entanto, as panteras negras estavam raçudas e reduziram a desvantagem aos 84 minutos. Marlon, na cobrança exemplar de um livre direto, fez um grande golo, sem qualquer hipótese para Gonda, relançando a incerteza no resultado final.

A turma do Bessa bem carregou e assediou a defensiva algarvia mas o Portimonense resistiu e conseguiu garantir uma preciosa vitória. Os alvinegros somam 30 pontos e conseguem escapar à zona de despromoção, apesar da igualdade pontual. E, em caso de empate a três no final do campeonato, o conjunto de Paulo Sérgio também sai beneficiado: num mini-campeonato a três, com o Vitória de Setúbal e o Tondela, será a turma da Beira Alta a descer.

Na próxima jornada, a 33ª da Liga NOS, o Portimonense desloca-se ao reduto do Paços de Ferreira, em jogo marcado para as 17h00 de segunda-feira, 20 de julho.