Lagoa promove parceria com UAlg para criar uma escola do futuro

  • Print Icon

A Câmara Municipal de Lagoa vai requalificar o Centro Escolar da Mexilhoeira da Carregação, união de freguesias Estômbar/Parchal, e quer que esta seja uma verdadeira escola preparada para o futuro. Por esta razão, procurou junto da Universidade do Algarve (UAlg), uma equipa que ajudará a autarquia a tomar todos os passos necessários, ainda antes da ideia sair do papel.
Na apresentação do projeto «Escola Aprender + : Ambientes inovadores de Aprendizagem», na quarta-feira, 30 de janeiro, no Auditório Carlos do Carmo, as entidades parceiras explicaram o projeto e deram a conhecer a equipa.

O plano é não ficar apenas pela infraestrutura, mas ir um pouco mais longe e preparar a comunidade escolar para o século XXI, com novas aprendizagens e métodos de ensino adequados. Assim, a equipa académica junta Mauro Figueiredo, professor adjunto no Instituto Superior de Engenharia da UALg, e coordenador deste projeto, as sub-coordenadoras Maria Helena Horta, professora adjunta do Departamento de Ciências Sociais e da Educação da Escola Superior de Educação e Comunicação, e Cátia Martins, professora auxiliar do Departamento de Psicologia e Ciências da Educação da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, Vítor Gamboa, professor auxiliar da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, e Catherine Simonot, professora adjunta e atual sub-diretora da Escola Superior de Educação e Comunicação.

Segundo Mauro Figueiredo, esta é uma oportunidade porque a Câmara Municipal de Lagoa, além do edifício pretende inovar a prática pedagógica. «Tem havido um grande investimento no parque escolar e há muitas escolas modernas, mas as práticas são as mesmas. Temos alunos do século XXI, mas com práticas e professores do século XX», afirmou.
Ora, as duas entidades estão em sintonia, segundo o coordenador, porque se por um lado a autarquia quer investir no futuro da educação, a Universidade do Algarve quer partilhar o conhecimento científico que desenvolve.

A intenção é que os alunos aprendam «desenvolvendo novas competências, porque é preciso trabalhar para profissões que ainda nem existem, preparando-os, desenvolvendo novas competências, pensamento crítico, criatividade, partilha, cidadania e que estão alinhadas com as novas intenções do Ministério da Educação», sublinhou Mauro Figueiredo.

Para que esta escola seja tornada realidade, esta equipa vai coordenar com os técnicos da autarquia formações para professores, que mais tarde serão extensíveis a profissionais de outros estabelecimentos escolares e Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) do concelho, com serviços vocacionados para a educação. Haverá ainda visitas a espaços onde a escola do século XXI já é uma realidade, como é o caso do Agrupamento de Escolas Miraflores, em Lisboa, e do de Rio Maior.

Mas este trabalho já foi começado, no início da parceria, com visitas da equipa a salas do futuro existentes em escolas do país.

Para Ana Martins, vereadora da Câmara Municipal de Lagoa, que efetuou a apresentação do projeto, liderado e idealizado pelo presidente Francisco Martins, foram feitas apresentações aos professores, pais e encarregados de educação, para ouvir as necessidades da comunidade, mas também aos alunos.

«Apesar de falarmos agora do Centro Escolar da Mexilhoeira da Carregação, este não é um projeto apenas daquele espaço. É do concelho. Pretende construir um novo edifício, mas ao mesmo tempo envolver todos na construção e também fornecer ferramentas de trabalho a todos os profissionais desta área», acrescentou Ana Martins.

A responsável anunciou ainda que em breve serão lançadas as normas para a criação de um logótipo deste projeto «Aprender +», aberto a alunos que estudem ou residam no concelho.

Centro Escolar estará pronto em 2022

O novo Centro Escolar da Mexilhoeira da Carregação marcará o futuro da educação no concelho. O projeto já foi iniciado há três anos, mas, no início, a ideia era apenas requalificar o edificado existente. No entanto, a intervenção alterava e arranjava o interior, mas continuava a ser escasso o espaço envolvente. A Câmara Municipal de Lagoa decidiu então adquirir uma parcela de terreno ao lado para aumentar as áreas e dar todas as condições à comunidade. Assim, como explicou o arquiteto Luís Veríssimo, responsável pela requalificação do Centro Escolar, ao adquirir o terreno, o espaço de intervenção foi duplicado para implementar o mesmo programa.

As estimativas apontam que o projeto esteja entregue à Câmara Municipal pelo arquiteto até março e que a partir daí, se contem mais seis meses até abertura do processo de concurso público, sendo que este terá que ser depois validado pelo Tribunal de Contas, o que poderá demorar mais três meses.

A previsão é que a obra comece no terreno no início de 2020, sendo que deverá demorar 24 meses até estar concluída. Será realizada por fases.

No terreno adquirido, conforme avançou Luís Veríssimo, será construída a EB1, com biblioteca e refeitório, «seis salas de aula que podem passar a ser três se for necessário», pois terão divisórias móveis. «Uma das exigências do executivo camarário foi que se respeitasse o edifício centenário, um marco na história, quer político, quer arquitetónico. Assim, a intervenção que terá, será despi-lo do que foi sendo acrescentado ao longo dos anos», destacou. Esse imóvel passará a ser administrativo. Já o polidesportivo terá todas as condições, como balneários e mais salas de arrumo. «Estamos a propor que duas paredes sejam mais ou menos rotas para que o vigilante possa, além de controlar o espaço de recreio, controlar a utilização do espaço desportivo», justificou Luís Veríssimo. Este espaço poderá ainda ser utilizado, após as aulas ou períodos de férias letivas, pela população residente. O Jardim de Infância não sofrerá alterações de maior, mas terá uma maior fluidez, sobretudo nas escadas, e ganhará uma sala polivalente no primeiro andar com cerca de 80 metros quadrados.