Jornalista do «barlavento» vence Prémio CNID Desporto com Ética

  • Print Icon

O artigo «Coleção de camisolas desportivas de família tavirense vai ganhar nova vida em África», da autoria de João Chambino venceu o segundo lugar da 7ª Edição do Prémio de Imprensa Desporto com Ética/2018, a mais participada de sempre, segundo a organização a cargo da Associação de Jornalistas de Desporto (CNID), em parceria com o Instituto Português de Juventude e Desporto (IPdJ).

No âmbito do Plano Nacional de Ética no Desporto (PNED), esta edição «registou uma adesão sem precedentes, por comparação com as anteriores, tendo-se verificado quatro vezes mais candidaturas ao Prémio de Imprensa».

O júri foi composto pelos jornalistas Murillo Lopes, Alexandre Afonso e Carlos Manuel Albuquerque.

João Chambino, 27 anos, licenciado em Ciências da Comunicação pela Universidade do Algarve (UAlg), está neste momento a realizar um estágio profissional do Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP), com o objetivo principal de desenvolver a nova edição online do jornal, desempenhando, em paralelo, funções na redação do «barlavento».

«É um enorme orgulho receber esta distinção que, este ano, foi tão participada. A ética é um princípio fundamental no desporto e, nos tempos atuais, há intervenientes que não o honram, sendo sempre de destacar e enaltecer as iniciativas que relembram a necessidade de fazer o bem na prática desportiva», considera o premiado.

«Este prémio é uma prova do valor que a nova geração também tem, juntando-se à experiência já existente no meio. Saber que existiram tantas participações é reconfortante, pois faz crer numa classe jornalística que tem bem patentes todos os princípios e valores desportivos que se exigem. Afinal de contas, nós, com a nossa isenção, levamos aos leitores assuntos que despertam e mexem com paixões muito intensas», sublinha João Chambino, algarvio de Albufeira.

«O prémio não é só meu. A minha família, os meus amigos, todos aqueles que, no fundo, sempre me apoiaram no percurso até ingressar no meio merecem um agradecimento. E, muito especialmente, todos aqueles que comigo engrandecem o nome do barlavento, em especial o diretor, Bruno Filipe Pires, que confiou em mim para entrar neste barco quando eu era ainda um recém-licenciado. Somos uma equipa pequena, mas cheia de garra, e de espírito jovem»

«Este será, certamente, o primeiro de muitos, para mim, para os meus colegas e sobretudo para os leitores, que são para quem trabalhamos. Os leitores saberão, também, reconhecer a qualidade dos trabalhamos que apresentamos, e onde colocamos todo o nosso empenho. A tradição do barlavento continuará sempre bem viva no Algarve», conclui João Chambino.

Por sua vez, o atual diretor tem uma palavra a dizer. «Não conhecia o João Chambino. Um dia recebi um currículo muito diferente dos demais. Um jovem identificou uma lacuna no nosso trabalho editorial, e propôs-se a escrever os relatos dos jogos das principais equipas de futebol do Algarve».

«Infelizmente, na altura, não tínhamos orçamento para pagar o trabalho que nos propôs, mas ele insistiu. E fez. Ficámos muito impressionados com a sua pro-atividade e com a qualidade das peças, apesar da pouca experiência. Assim que possível, candidatámos o João Chambino a um estágio do Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP), entidade que nos deu todo o apoio. Desde novembro de 2018 tem sido uma mais-valia na vida do jornal. Estou muito orgulhoso do meu orientando, que tem toda a humildade, espírito curioso, cultura geral e inteligência que que se espera de um jornalista», sublinha Bruno Filipe Pires.

«O objetivo é que no final do estágio, possa renovar o título provisório para a Carteira Profissional de Jornalista e continuar a sua carreira que desde já promete ser promissora. Tudo faremos para que fique connosco».

«A nossa equipa atual, apesar da juventude, é altamente qualificada. E orgulha-se de dar continuidade a um jornal que foi, é, e por nossa vontade, continuará a ser, uma referência do Algarve, região que todos nós tanto amamos. Assumimos os desafios que o nosso jornal enfrenta. Não desistimos. Temos a vontade e a motivação para continuar a construir o percurso do barlavento, na senda de tudo o que o fundador Hélder Nunes iniciou em abril de 1975, e que agora a nós cabe honrar e persistir. Este prémio é para ele também, para os nossos leitores e para todas as pessoas que continuam a ajudar e a apoiar o jornal», conclui o diretor.

O Prémio Desporto com Ética para a Imprensa Regional tem por objetivo incentivar e premiar a publicação de trabalhos escritos (exclusivamente) relacionados com a Ética no Desporto nos Órgãos de Imprensa Regional e galardoa, em cada ano, os três trabalhos que melhor qualidade apresentarem. A este prémio concorreram jornalistas e colaboradores de Órgãos de Imprensa Regional Portugueses sediados em Portugal ou no estrangeiro.

A cerimónia de atribuição dos prémios realiza-se na Gala do CNID (Clube Nacional de Imprensa Desportiva), em Portimão, no próximo dia 27 de maio.

Premiados

Artigo «Mais 345 quilómetros nas pernas para avivar o corpo e a amizade», da autoria de Miguel Sampaio;

Artigo «Coleção de camisolas desportivas de família tavirense vai ganhar nova vida em África», da autoria de João Paulo Chambino;

Artigo «Carta Aberta a todos os jovens que sonham ser profissionais de futebol», da autoria de Vitor Santos.

Menções Honrosas:

Conjunto de artigos da autoria de Jorge Machado;

Conjunto de artigos da autoria de Vítor Rodrigues do Carmo.