Fuseta e Ílhavo vão oficializar geminação que enaltece amizade antiga entre pescadores

  • Print Icon

Vai ser oficializada a geminação das localidades piscatórias da Fuseta e Ílhavo, entre a União de Freguesias de Moncarapacho e Fuseta e a Freguesia de São Salvador, unindo assim duas localidades com muitas afinidades, desde há vários séculos. A cerimónia de oficialização deste ato acontece dia 18 de maio, em Ílhavo.

Aprovado o protocolo de geminação nas Assembleias de Freguesia das duas juntas de freguesia, Fuseta e Ílhavo, «irmãs de sangue na sua história», será agora oficializado tão «singular parentesco». Nesta cerimónia, a União de Freguesias de Moncarapacho e Fuseta levará a Ílhavo antigos pescadores da pesca do bacalhau e seus familiares, que terão oportunidade de confraternizar com antigos camaradas daquela localidade e visitar o Museu Marítimo, que guarda muitas memórias desses tempos da chamada «faina maior».

No dia 22 de junho será a vez da Fuseta receber uma delegação de Ílhavo para um segundo ato desta geminação, que terá lugar na Biblioteca Profª Maria José Fraqueza.

A ligação mais significativa entre as duas localidades é a pesca do bacalhau, nos mares da Terra Nova e Gronelândia. Em quase todas as ruas e casas da Fuseta e de Ílhavo existem memórias desses tempos, e a tripulação de muitos navios bacalhoeiros era constituída, sobretudo, por pescadores das duas localidades, «que ao longo dos tempos estabeleceram uma forte ligação de amizade e camaradagem, consolidada na dura tarefa da pesca à linha nos dóris e depois à noite a bordo do navio, nos trabalhos de preparação e conservação do peixe». Criaram-se assim laços de amizade, que mais tarde acometeram também os familiares dos pescadores.

O meio físico onde se situam as duas localidades também é semelhante, contíguo a zonas lagunares, com os seus esteiros e sapais: a Fuseta junto da Ria Formosa, com acesso ao mar pela barra. Ílhavo, na área da Ria de Aveiro, com acesso ao mar pelo canal, na extensão de cerca de 7 quilómetros até à barra de Aveiro.

As salinas, a produção de sal e a sua preparação para o comércio, também são um ponto comum entre a Fuseta e Ílhavo, sendo igualmente similar a existência e o trabalho dos mariscadores e viveiristas, que têm o seu ganha-pão nas rias. Estas afinidades e ligações «são uma forte razão para esta geminação, que irá permitir no futuro um intercâmbio de atividades de âmbito social, cultural e desportivo, entre outras», explica a União de Freguesias de Moncarapacho e Fuseta.