Fecho da base da Ryanair é «ameaça para a comunidade» diz PSD Faro

  • Print Icon

Perante «a gravidade das notícias das últimas horas», a Comissão Política Secção do PSD Faro, vem hoje, quarta-feira, 7 de agosto, expressar «a sua grande preocupação» perante a notícia ontem conhecida de que a companhia aérea Ryanair se prepara para encerrar a sua base operacional no Aeroporto de Faro, já a partir de 20 de janeiro de 2020.

A notícia é tanto mais preocupante «porquanto a Ryanair tem cerca de 30 por cento da quota de mercado de passageiros do Aeroporto de Faro, sendo a companhia líder e principal veículo de chegada de turistas e visitantes à nossa região», contabiliza o PSD Faro.

«Há muito que vínhamos avisando: a quebra do mercado inglês e as perspectivas cada vez mais sombrias relativamente à resolução do Brexit impunham medidas enérgicas, por parte do governo e das entidades que têm como missão a promoção do Algarve em mercados alternativos».

«O que tem sido feito pelas duas entidades regionais com essa incumbência – RTA e ATA? Qual a estratégia? Para quando o reforço orçamental destas entidades, dotando-as dos meios adequados e da competência para desempenhar esta tarefa com maior eficácia?», questiona aquela força política em comunicado de imprensa.

O último boletim estatístico da ANAC, referente ao 1° trimestre de 201 estima que a Ryanair foi responsável por 30 por cento dos passageiros transportados para o Aeroporto de Faro.

Outro «factor decisivo parece ser o longo e encarniçado conflito laboral que opõe a companhia e os sindicatos de trabalhadores. Importa questionar que medidas tem tomado o governo para nos proteger dos efeitos lesivos desta querela que ameaça pôr em perigo a trajetória de recuperação económica das nossas comunidades? Quem e como acompanhou a questão, sobretudo após o recente agravamento da situação e bem conhecidos os avisos da companhia?».

Embora a companhia afirme querer manter as rotas inalteradas, o sector do Turismo e áreas «conexas manifestam justificada preocupação, prevendo que, sem a base operacional em funcionamento, a Ryanair acabe por reduzir o tráfego aéreo, sobretudo na época baixa, o que representa um duro revés no combate à sazonalidade».

A «inércia das autoridades quanto a esta matéria prejudica as empresas, sufoca os trabalhadores e põe em causa o futuro das comunidades», conclui o comunicado do PSD Faro.