Farense veste o fato macaco e resiste a segunda parte asfixiante

  • Print Icon

Tarde cinzenta neste domingo, 18 de novembro, no Estádio de São Luís, em Faro. Em jogo antecipado da 16ª jornada da Segunda Liga, e contrariando o que tem sido regra nos jogos disputados em casa, o Farense entrou forte e desde cedo remeteu o Mafra às tarefas defensivas.

Num relvado pesado, longe de estar nas melhores condições, a equipa algarvia conseguiu contornar a adversidade e impor  o seu jogo, dispondo de variadas oportunidades para abrir o ativo.

Logo aos dois minutos, Irobiso surgiu isolado na cara de Godinho, mas permitiu a defesa ao capitão e guardião do Mafra. Godinho foi, de resto, o grande destaque da primeira metade do jogo. Aos 12 minutos voltaria a brilhar, após nova tentativa de Irobiso, que surgiu a cabecear no centro da área, após um livre de Jorge Ribeiro.

Logo de seguida, aos 16 minutos, novamente o Farense a criar perigo – Ryan Gauld assiste Irobiso que, pela terceira vez, atira para nova grande defesa de Godinho. Neste duelo particular entre o avançado algarvio e o guardião mafrense, vantagem de 0-3 para João Godinho.

A toada do jogo mantinha-se, o Farense continuava a dominar as operações e criou novo lance de perigo aos 32 minutos, quando Bruno Bernardo cabeceou um verdadeiro míssil que errou por pouco a baliza do Mafra, após um canto cobrado do lado direito do ataque algarvio.

Foi necessário esperar até aos 40 minutos para notar a presença do ataque do Mafra na partida – Zé Tiago ganha espaço no centro da área, rematando para uma defesa segura de Daniel Fernandes. O intervalo chegava com um nulo no marcador, resultado algo injusto para o que se passava no mau relvado do Estádio de São Luís, em Faro.

O regresso aos balneários não foi muito diferente. Os algarvios não perderam o gás e, logo aos 50 minutos, Alvarinho pegou na bola na ala esquerda do ataque farense, fez o que quis da defensiva do Mafra e assistiu Irobiso, que desta vez não deu hipótese a João Godinho e abriu o ativo. Foi o quarto golo do nigeriano do Farense em jogos a contar para o campeonato.

No entanto, após o golo, o Mafra subiu as linhas em busca do empate e obrigou o Farense a encolher a sua presença no relvado. Aos 63 minutos, numa desatenção da defensiva farense, Bruninho trabalhou pela direita e isolou Harramiz, que encontrou pela frente um gigante Daniel Fernandes a defender para canto.

A pressão mafrense foi uma constante, e foi frequente assistir à presença dos 11 jogadores do Farense atrás da linha de meio-campo. No entanto, a defensiva algarvia foi dando boa conta do recado, afastando com eficácia todos os lances de perigo, antes mesmo de chegarem à baliza defendida por Daniel Fernandes, que acabou por ter poucas defesas complicadas para fazer.

O Farense abdicou praticamente do seu ataque e o sufoco chegou a ser verdadeiramente asfixiante, com o Mafra a tentar o tudo por tudo e a carregar com bastante vigor o último reduto algarvio, que aguentou as investidas e acabou mesmo por somar três pontos preciosos.

Na próxima jornada, a disputar no dia 2 de dezembro, domingo, o Farense desloca-se à Covilhã, onde defronta o Sporting local, às 15h00.

Rui Duarte: «foi uma belíssima vitória»

No final do jogo o treinador do Mafra, Filipe Martins, considerou que «na segunda parte só o Mafra quis ganhar o jogo». O técnico acrescentou que «o resultado foi muito injusto mas não vale a pena estar a arranjar desculpas, temos de dar os parabéns ao Farense, mas também aos meus jogadores que fizeram tudo para ganhar o jogo». Filipe Martins deixou ainda uma crítica: «não gostei que os apanha-bolas tivessem desaparecido após o golo do Farense, isso não é defender o futebol. Nunca vão ver isso em Mafra, eu vou de consciência tranquila para cima».

Já Rui Duarte era, naturalmente, um treinador feliz com o resultado. Para o técnico algarvio, «foi uma belíssima vitória, com uma entrada muito forte na primeira-parte. Aos 25 minutos já podíamos estar a ganhar por 2-0». Rui Duarte considera que «tivemos uma entrada forte na segunda-parte e marcámos. O Mafra, depois, empurrou-nos para trás». O treinador do Farense disse estar «extremamente orgulhoso da minha equipa, mas dou os parabéns ao Mafra porque são uma equipa muito bem trabalhada». O técnico referiu ainda que «estou ciente daquilo que estamos a fazer, a estrutura está orgulhosa do trabalho, e o que tem acontecido nos últimos jogos é fruto da união que existe no clube». Rui Duarte concluiu dizendo que «temos de viver com a nossa realidade, dentro do grupo a mensagem é sempre a mesma, sabemos bem o que temos pela frente, e tenho pena que por vezes se crie alguma instabilidade à volta da equipa, algo que só nos prejudica e que se notou nos últimos minutos do jogo de hoje». Em resposta às críticas de Filipe Martins sobre a ausência de apanha-bolas, Rui Duarte disse não se ter apercebido.

 

Farense vs Mafra

Estádio de São Luís, Faro

Farense – Daniel Fernandes, Godinho, Bruno Bernardo, Cássio, Jorge Ribeiro, Nuno Borges (Mayambela, 45 min), Carlos Moura (Markovic, 68 min), Fabrício, Alvarinho (Alan Junior, 72 min), Ryan Gauld, Irobiso;
Treinador: Rui Duarte
Suplentes não utilizados: Hugo Marques, Delmiro, Pedro Kadri, Fábio Nunes.

Mafra – João Godinho, Rúben Freitas (Gonçalo, 79 min), Miguel Lourenço, Guilherme Ramos, Gui Ferreira (Ruca, 72 min), Rui Pereira (Flávio, 61 min), Cuca, Pedro Ferreira, Harramiz, Zé Tiago, Bruninho;
Treinador: Filipe Martins
Suplentes não utilizados: Janota, Ministro, Ventosa, Tanque.

Árbitro: Hélder Malheiro

Golos: Irobiso 50 min; .
Amarelos: Harramiz (5 min); Cuca (14 min); Bruno Bernardo (20 min); Irobiso (25 min); Jorge Ribeiro (33 min); Pedro Ferreira (37 min); Fabrício (46 min); Alan Junior (90 min).