Farense desperdiça vantagem de dois golos e salva-se da derrota no fim

  • Print Icon

Bom início de jogo no Estádio Algarve, frente ao Famalicão, não fazia antever a tragédia que foi a etapa complementar. Farense começou a vencer por 2-0, e acabou a conseguir o empate apenas no último minuto.

Sérgio Vieira sentiu necessidade de mexer na equipa para tentar colocar os Leões de Faro na rota dos triunfos: Hugo Seco e o central Eduardo Mancha foram novidades na equipa inicial no ataque ao Famalicão, grande surpresa da última edição da Liga NOS.

E a aposta do técnico dos algarvios no defesa brasileiro até se mostrou certeira desde cedo: é que, logo ao quarto minuto, na sequência de um canto, Eduardo Mancha apareceu ao segundo poste com grande sentido de oportunidade e atirou para o fundo das redes, fazendo o 1-0.

Ao minuto 25, os algarvios podiam ter aumentado a vantagem. Novamente na sequência de um canto, com Amine a aparecer ao segundo poste e a rematar para desfio da defensiva nortenha. O aviso foi dado e, na sequência de novo pontapé de canto, o segundo golo: Ryan Gauld desvia suavemente a bola ao primeiro poste e César aparece no coração da área a desviar para o fundo das redes, ampliando a diferença no marcador.

Os algarvios iam dando uma excelente resposta, numa primeira parte de boa qualidade, com duas equipas a tentar jogar e com atitude positiva. O pior estava, no entanto, para vir, na ótica do Farense…

Ryan Gauld Farense
Foto: Nélson Ferreira

Esperava-se um Famalicão mais pressionante e assim foi: nos primeiros 15 minutos da segunda parte, os minhotos dominaram por completo as operações, tirando por completo a posse de bola à turma de Faro.

O técnico Sérgio Vieira tentou contrariar este domínio com as entradas de Mansilla, Miguel Bandarra e Patrick. E, logo após a entrada do avançado cabo-verdiano, ao minuto 62, os algarvios quase chegaram ao terceiro – Ricielli, in extremis, tirou o pão da boca a Patrick. A partir daqui, o descalabro.

O Famalicão voltou a emergir e, após um bom trabalho individual, Valenzuela foi travado em falta dentro da área por Miguel Bandarra, levando André Narciso a apontar para o castigo máximo. Na conversão, Rúben Lameiras enganou Defendi e reduziu distâncias no placard.

O Farense até se espicaçou e respondeu ao minuto 68, com um excelente passe de Lucca a proporcionar um remate a Mansilla, que esbarrou no poste direito da baliza forasteira. No entanto foi mesmo o Famalicão a alcançar o empate, aos 73 minutos. César ainda evitou o desvio de Marcelo Trotta, mas a bola sobrou para Rúben Lameiras que não se fez rogado e bisou na partida.

Os algarvios estavam em queda livre, sem ideias, e os forasteiros deram mesmo a volta ao resultado. Ao minuto 81, Bruno Jordão trabalho como quis, tirou a defesa algarvia do caminho e atirou a contar para o terceiro, um grande golo.

Sérgio Vieira tentou salvar a tarde com as entradas de Madi Queta e Cláudio Falcão, e até viu o Famalicão ficar reduzido a 10 jogadores após expulsão de Edwin Herrera, aos 88 minutos, por acumulação de amarelos. E, no último minuto, lá conseguiu salvar um ponto…foi Mansilla a isolar-se e a fuzilar Zlobin, para o 3-3 final.

O Farense soma agora um ponto no campeonato. Na próxima jornada, os leões de Faro recebem o Rio Ave, no domingo, 25 de outubro, às 15h00.