Faleceu o acordeonista algarvio Baltazar Guerreiro

  • Print Icon

Baltazar Guerreiro, natural de Alcoutim, residia em Loulé há mais de quatro décadas. Era empresário de chocolates regionais com base em produtos locais.

Faleceu no sábado, aos 58 anos, o acordeonista algarvio Baltazar Guerreiro.

Natural de Alcoutim, radicou-se em Loulé com 11 anos de idade. Começou a tocar acordeão com 6 anos de idade, ainda em Alcoutim, mas começou a ter maior projeção quando entrou para o Rancho Folclórico Infantil de Loulé.

Foi igualmente acordeonista do Rancho Folclórico de Boliqueime e do Rancho Folclórico da Luz de Tavira, tendo atuado em praticamente todo o território nacional e em países como a Dinamarca, Suécia, Suíça e Estados Unidos da América.

Editou o seu primeiro trabalho discográfico em 1988, tendo vendido mais de 10 mil unidades. Foi co-fundador da «Orquestra Arte & Música» e do Grupo de Música Popular «Albuhera» e integrou o «Quarteto de Fado Albuhera».

Era também um conhecido comerciante de Loulé, no ramo da óptica, e criador da marca «Chocofigo», que comercializada produtos regionais como o figo, a laranja e a batata doce com chocolate.

«O Algarve perde um acordeonista ativo e voluntarioso, promotor da identidade cultural algarvia e um embaixador criativo dos produtos regionais», lamenta Nuno Campos Inácio, jurista, genealogista e dinamizador da Arandis Editora, que avançou a notícia nas redes sociais.

O corpo ficará em câmara ardente na Igreja de Sant’Ana, a partir das 17 horas de segunda-feira, dia 11 de novembro.

O funeral realiza-se na terça-feira, dia 12 de novembro às 10h30, na Igreja de São Francisco para o Cemitério de Loulé.



Os nossos sentimentos à família enlutada.