Choco & Nut: marca algarvia vai adoçar bocas em Luanda

  • Print Icon

Casa especialista em doces com nutella, nasceu em 2015 na capital algarvia e é paragem obrigatória também em Olhão e Portimão. Quatro anos depois surge a primeira internacionalização.

A marca nasceu pelas mãos de dois fisioterapeutas farenses, Rui Marcelo e Mário Afonso, ambos de 30 anos. Em 2015 tiveram a ideia de abrir uma casa para servir doces à base de nutella, talvez o creme de avelãs para barrar mais apreciado do mundo.

A primeira loja surge em Faro, em frente à estação dos autocarros, num espaço onde apenas cabiam quatro mesas.

«Foi um sucesso instantâneo. Pensámos que tal aceitação se deveria à novidade. O que é certo é que continuou» começa por contar ao «barlavento» Tânia Piedade, 27 anos, a primeira gerente da loja, que acompanhou todo o processo desde o início.

«Em 2017, abrimos outra loja em Olhão, onde eu agora sou responsável. Seguiu-se Cacilhas, Évora e Portimão. No ano seguinte, Odivelas. Mas o maior passo da marca vai ser dado este ano. Vamos inaugurar dois espaços em Luanda, em dois centros comerciais. Um já em setembro e outro até ao final do ano. Antes disso, Lisboa também terá duas Choco & Nut. Uma das lojas inaugura ainda durante este verão», revela a gerente.

Mas como é que uma marca nascida no Algarve vai parar a outro continente? «Será um franchising. Recebemos um contacto de um empresário angolano, que depois de ter visitado as nossas lojas de Odivelas e Cacilhas, nos disse que se identificava com a marca e que seria ideal para implementar em Luanda», revela. «Reunimo-nos e apresentámos um plano de negócio. Uns dias mais tarde, voltou-nos a ligar com a notícia de que queria inaugurar duas lojas» na capital de Angola. «E disse ainda que no futuro quer abrir mais filiais».

Assim, em setembro próximo, Rui Marcelo, Mário Afonso e quatro membros das lojas algarvias rumam a África para dar formação ao staff das novas lojas angolanas.

«É um passo grande. De uma loja pequena de Faro, a marca vai agora para outro continente. É um orgulho enorme ver o que conseguimos até hoje» refere a gerente.

Crepes, waffles, panquecas, churros e batidos são algumas das especialidades da casa, servidos com nutella ou com outros chocolates populares no mercado (Kinder, M&Ms, Rafaello ou Maltesers).

Choco & Nut

Mas também nas lojas nacionais há novidades. O menu foi alterado em junho e entre as novidades, segundo a gerente, a que tem mais saída é a panqueca perna de pau com chocolate de leite e morangos.

Para os mais rigorosos na dieta há panquecas de aveia e opções com manteiga de amendoim.

Questionada sobre o que diferencia a Choco & Nut de outras casas que usam nutella como matéria prima, e que entretanto foram surgindo um pouco por todo o país, Tânia Piedade é assertiva.

«Acima de tudo, é a qualidade, a apresentação dos pratos que servimos e a constante inovação. Fatores que levamos muito em conta no nosso crescimento como marca. Depois, há um grande trabalho diário, nas redes sociais. Achamos fundamental estar em contacto com o nosso público», sublinha.

Outro aspeto diferenciador é o facto de «desde 2015, somos nós que fabricamos todas as massas. Fazemos questão que sejam caseiras».

No final deste verão, o objetivo é que toda a geladaria seja produzida na casa. «Não faz sentido ser de outra maneira. Será uma das novidades deste ano», garante Tânia Piedade.

Para o futuro, a responsável revela que há algumas hipóteses que, apesar de ainda não serem concretas, estão em cima da mesa. «Ponderamos abrir uma loja no Porto e mais algumas no Algarve», antecipa.

E quão gulosos são os algarvios? O consumo de nutella, só na loja de Olhão, ronda os 35 baldes de três quilos por semana (420 quilos por mês).

«Este é um negócio que dá muito trabalho, mas que nos orgulha por estar a trazer frutos. Logo, tem tudo para continuar», seja em Portugal ou em Angola.

Todas as lojas abrem das 14h00 até a 00h00, de terça a quinta-feira. Encerram à segunda e sexta e sábado o horário é alargado até às 01h00.