Câmara de Lagos reuniu com empresários do turismo e restauração

  • Print Icon

O Auditório do Edifício Paços do Concelho Séc. XXI recebeu uma reunião que juntou, na sexta-feira, 31 de maio, autarcas, representantes das forças de segurança, da Saúde (ACES Barlavento/Centro de Saúde de Lagos) e da ALGAR, assim como muitos dos empresários com negócios turísticos no concelho.

Um dos objetivos foi apresentar o trabalho que o município «tem feito em diferentes frentes para que a época turística corra da melhor forma para os visitantes e, consequentemente, para todos os que trabalham e dependem deste sector de atividade». A par disso, o executivo quis também ouvir os empresários, perceber as suas expetativas e preocupações, para, em diálogo e num espírito de parceria, ser mais fácil minimizar as dificuldades e o impacto da chamada «pegada turística».

Paulo Jorge Reis, vereador com a área da Proteção Civil e Comandante dos Bombeiros Voluntários de Lagos, apresentou o trabalho feito no âmbito da prevenção dos fogos, que remonta a 2006, data em que se iniciaram as ações de conservação do espaço rural no âmbito do Plano Florestal da Associação de Municípios Terras do Infante e criaram as equipas de Sapadores, então constituídas apenas por três efetivos em cada município.

«Hoje existem quatro equipas (2 em Aljezur, 1 em Lagos e 1 em Vila do Bispo), todas elas dotadas de cinco vigilantes», explicou o vereador, que deu a conhecer os recursos de viaturas e maquinaria afetos a esta atividade, utilizados nos trabalhos de prevenção estrutural realizados durante o inverno (manutenção de faixas), a que se segue a prevenção operacional (consistindo em vigilância ativa) com início a 1 de junho.

Concluiu que «naquilo que é a prevenção o trabalho de casa foi feito, esperando-se agora que as condições meteorológicas também ajudem». Paulo Jorge Reis sensibilizou ainda os presentes relativamente à responsabilidade para a manutenção do espaço rural, que é de todos, de modo a evitar que haja alguma ocorrência que afete a atividade económica e a imagem turística do concelho e da região.

A gestão do centro histórico, a ocupação indevida da via pública, a circulação e estacionamento automóvel abusivos, a regulação da animação de rua, a limpeza das praias, as acessibilidades viárias, o tratamento dos espaços verdes, o estado das rotundas situadas nos principais acessos à cidade, a manutenção dos passeios e espaço público, a taxa turística, o licenciamento e a fiscalização das unidades de alojamento local, a recolha de resíduos sólidos e de recicláveis, e ainda a limpeza urbana, foram os temas que mais suscitaram o debate.

A este propósito, Maria Joaquina Matos, presidente da Câmara lacobrigense, recordou que «só recentemente, com a retoma da economia e a recuperação financeira do município», foi possível perspetivar novamente a realização de obras há muito necessárias como a Reabilitação da Estrada Municipal entre as Quatro-Estradas e a Vila da Luz, cujo lançamento da empreitada foi agora publicado em Diário da República, o arranjo da Estrada da Meia Praia e a requalificação das Ruínas dos Balneários Romanos da Luz.

No que respeita à taxa turística, a autarca informou que a mesma «visa intervenções que contribuam para minimizar a pegada turística, estando a ser discutida em 2019 para entrar em vigor, em termos de cobrança, em 2020».

Em resposta às críticas feitas sobre a falta de manutenção do espaço público, Luis Bandarra, vereador, recordou que o município tomou a decisão «de não permitir a aplicação de herbicidas, em benefício da saúde dos cidadãos e do ambiente, o que torna mais difícil controlar as ervas infestantes».

O vereador deu ainda conta de outras ações que foram realizadas ou estão previstas em matéria de higiene urbana e proteção ambiental: o reforço de papeleiras no centro histórico; o reforço com uma viatura do serviço de recolha de resíduos verdes (restos de jardins); a campanha de sensibilização sobre os resíduos que será feita porta-a-porta no centro histórico, na 2ª quinzena de junho, e a campanha de sensibilização ambiental «O mar começa aqui».

As forças de segurança anunciaram, também elas, as medidas que estão previstas na época alta, com a Polícia de Segurança Pública a informar que existirá um reforço de meios através presença do seu corpo de intervenção a partir de sábado, 15 de junho.

Por seu turno, a Guarda Nacional Republicana vai também ver reforçado o seu dispositivo com patrulhas montadas e o acolhimento de estagiários.

Relativamente à Polícia Marítima o dispositivo para a época balnear será semelhante ao dos anos anteriores, estando previsto um esforço acrescido de fiscalização na zona dos passeios marítimo-turísticos e uma sensibilização para a cooperação entre os operadores privados, de modo a garantir que haja espaço para todos e evitar acidentes.