Centro de Treino de Portimão vai ter novas instalações

  • Print Icon

O Centro de Treino de Portimão abriu portas no dia 3 de setembro de 2013. Contrariando o espírito português das «quintinhas», a Escola de Boxe de Portimão e o Taekwondo Clube de Portimão entraram, desde o início, numa partilha de um espaço com 400m². Ao longo destes três anos, vieram a juntar-se-lhes o Kickboxing/Muay-thai, o Jiu-jitsu e o Wrestling, num total de 250 praticantes. Por falta de espaço, contudo, ficaram de fora outras modalidades.

O incremento nos desportos de luta, em Portugal, tem sido enorme, nos últimos anos e Portimão não foge à regra. Existem, atualmente, no país, há cerca de 35 mil praticantes federados, e um número muito superior de pessoas não-federadas, mas que praticam uma ou mais modalidades com regularidade.

André Reis, um dos fundadores da Escola de Boxe de Portimão, treinador dos mais pequenos e responsável pela gestão do centro, em entrevista ao «barlavento» explica que desde a abertura do espaço, a modalidade conseguir arrecadar cinco títulos de campeã nacional e três de vice-campeã. Só na época de 2015/2016, em que os seus atletas participaram em oito provas, trouxeram sete medalhas para Portimão, seis primeiros lugares e um segundo lugar.

Na mesma época, o Taekwondo Clube de Portimão participou em nove provas e trouxe 42 medalhas (vinte e seis 1ºs lugares, dezanove 2ºs e doze 3ºs).

Ao ver o incremento das modalidades e a falta de instalações adequadas no concelho para treino de alta competição, Carlos André Reis decidiu arriscar-se, a título pessoal, num investimento de futuro, agarrando e modificando um espaço com 900m², mais do dobro do atual, sempre com o espírito da partilha, tendo já garantido a presença das modalidades que têm partilhado o Centro de Treinos e de outras, como o Krav Maga, o Judo, e as Mixed Martial Arts, além de aulas de Treino Funcional, Pilates, Zumba e Yoga.

«As pessoas que praticam as suas modalidades estão a tentar ir mais longe, como a Rafaela no Taekwondo, que está a tentar ir aos Jogos Olímpicos. Temos o sonho, no Boxe, de ir a competições internacionais e, para isso, temos de adaptar melhor os nossos treinos. Temos treinadores, no Muay-thai, que são campeões do mundo e os seus treinos têm de ser adaptados e otimizados ao máximo, porque são atletas de alta competição, embora não tenham esse estatuto. Há que criar condições para que todos os nossos praticantes possam chegar mais longe».

O novo Centro de Treinos de Portimão, com abertura oficial marcada para o dia 11 de fevereiro, albergará uma nave central com 600 m², uma sala/ginásio com 150m², duas salas multiusos com 100m² cada, uma sala de formação com 40m², dois balneários, receção, posto médico e arrecadações. Fica situado à entrada da Coca-Maravilhas, nas antigas instalações da Serigra.

«O espaço está bem adaptado à prática desportivas das modalidades que aí irão coabitar, que para já são as de combate, mas o objetivo é tentar evoluir. A grande máxima deste espaço é poder ainda evoluir, mas vamos dar o passo à medida da perna, como se costuma dizer. Já possuímos grande parte do material, fruto de um investimento ao longo dos anos, mas necessitamos de mais e teremos de recorrer a patrocinadores», diz André Reis.

«Quando nos iniciámos, não tínhamos nada. Mas pessoas apoiaram-nos. Hoje, quando contacto uma empresa, já digo que somos campeões, há quatro anos, que temos campeões nacionais. Em relação à Câmara e aos contratos-programa, se não os há, é porque não há possibilidade. Se houver esses valores, consegue-se fazer mais, ir a mais provas, levar mais miúdos que, a pagar, não têm possibilidade de fazer exercício físico e desporto, tirá-los da rua. Não havendo, faremos o nosso melhor, mas quero acreditar que haverá».

Com este espírito de luta e de campeão por parte deste homem que tem dado muito de si ao boxe, apoiando sempre as os outros desportos de combate, o novo Centro de Treinos de Portimão terá, quase certo, dias auspiciosos pela frente.