«Lavrar o Mar» lança livro sobre série projeto Medronho, teatro nas destilarias

  • Print Icon

Segundo Giacomo Scalisi diretor artístico do «Lavrar o Mar – as artes no alto da serra e na Costa Vicentina», vai ser lançado um livro dedicado ao projeto «Medronho», o espetáculo de teatro que percorreu as destilarias de Monchique. A edição será apresentada no dia 21 de junho, no monte das Lameiras, naquela vila serrana.

Em março de 2017, Giacomo Scalisi convidou dois escritores para uma residência artística em Monchique, para um projeto artístico a apresentar nas destilarias de Monchique, sob o título «Medronho».

Desta experiência resultam os textos que os intérpretes e co-criadores Estêvão Antunes, Leonor Cabral, Rita Rodrigues e João de Brito vão dar vida. Sandro William Junqueira inspirou-se no amor e rivalidade entre famílias de Romeu e Julieta, uma tragicomédia original dividida por dois espaços.

Afonso Cruz «imaginou duas histórias que têm a ver com estas gentes. As pessoas que habitam esta serra têm uma força particular. Têm uma forma de estar, um olhar, um quotidiano que é próprio», segundo revelou na altura ao «barlavento», Giacomo Scalisi.

Em março de 2018, teve lugar a segunda parte de «Medronho», que se desenvolveu numa zona da Serra de Monchique onde o grande incêndio não chegou.

«Aí, ainda há medronho mas também a consciência de que, num instante, tudo pode mudar». Foi o regresso «às destilarias de Marmelete numa altura em que outro fogo está aceso na fornalha, pronto a dar vida à destila. Afonso Cruz volta a escrever e dar voz às mulheres, continuando esta coleção de retratos de um quotidiano feminino com a constante transformação da Serra como pano de fundo».

Também na última semana da programação do «365 Algarve», a coreógrafa Madalena Vitorino regressa à Bordeira para mais uma e última exibição da sua nova obra, «EVA PORO #2», que acontece dias 31 de maio e 1 e 2 de junho. É uma criação de forte componente comunitária, que conta com participação especial de meninas de várias escolas da região, aborda o assunto do desaparecimento e enquadra-se na programação do «Lavrar o Mar».

Madalena Vitorino, André Duarte e convidados «perseguem o ar que sopra nas coisas vivas: a pele, os pulmões, a terra e até a galáxia, tudo corpos com uma respiração própria. Este é também um espetáculo sobre como a fragilidade promove a descoberta de novos e improváveis espaços vitais e sobre a resiliência enquanto tentativa de nos respirarmos para dentro do outro. Esta é uma criação marcadamente musical, na qual um homem compõe partituras voláteis em conjunto com os sopros de uma mulher. Um espetáculo também fortemente feminino que conta com outras mulheres, meninas e animais (éguas, javalis, cadelas), que corporificam uma performance poética».

Os bilhetes estão à venda em Monchique, na Biblioteca Municipal, em Aljezur, na Casa Lavrar o Mar (Rua João Dias Mendes). É recomendado calçado confortável e roupa adequada para caminhar cerca de 15 minutos até ao campo onde se fará a apresentação de «EVA PORO#2».