Antigo Tribunal de Albufeira dá lugar a Centro de Artes e Ofícios

  • Print Icon

O antigo edifício do Tribunal, na Rua da Igreja Nova, está a ser reabilitado para acolher o novo Centro de Artes e Ofícios de Albufeira. A intervenção, que envolve um investimento no valor de 556848,90 euros foi cofinanciada por fundos europeus, no âmbito do programa FEDER, no valor de 314825,45 euros.

José Carlos Rolo, presidente da Câmara Municipal de Albufeira considera que o edifício tem elevado potencial turístico e que a sua recuperação e abertura ao público vai contribuir para reduzir a sazonalidade na zona.

Desocupado há vários anos, o edifício mantinha ainda a integridade estrutural ao nível das fachadas e das arcadas, tendo-se verificado a necessidade de substituir telhados e sobrados, bem como efetuar a demolição dos anexos de apoio ao tribunal.

Assim, o município de Albufeira optou por apostar num projeto de reabilitação baseado numa abordagem contemporânea, com a reinterpretação de alguns elementos herdados da arquitetura mediterrânica, nomeadamente o pátio como elemento de organização espacial, as paredes brancas texturadas, com utilização de tijolo maciço pintado, as gelosias que serviam de filtro da luz e controlo das vistas e a relação interior/exterior bem demarcada.

A presente intervenção pretende, «além da recuperação do edificado contribuir para reduzir a sazonalidade numa zona cuja principal atividade centra-se, quase exclusivamente, na exploração turística» refere o autarca de Albufeira, que no passado mês de dezembro efetuou uma visita ao local, acompanhado de elementos da vereação e técnicos da autarquia, para verificar o andamento da obra. Os trabalhos estão a decorrer a bom ritmo, prevendo-se que a obra fique concluída este ano.

Em paralelo à localização, há que destacar a importância do edifício, que devido a algumas das suas características, nomeadamente por possuir uma fachada com enorme visibilidade exterior, um pátio interior com arcadas e condições para funcionar como um miradouro sobre a cidade «tem um elevado potencial turístico», sublinha José Carlos Rolo.

O futuro Centro de Artes e Ofícios de Albufeira contemplará um conjunto diversificado de valências que se complementam entre si, destacando-se, igualmente, como uma mais-valia, a possibilidade do estabelecimento de sinergias entre os vários ocupantes do espaço com vantagens competitivas evidentes.

Irá disponibilizar informação sobre técnicas tradicionais de artesanato, quem produz e a forma como o faz, percorrendo todas as etapas ao longo do processo de produção, da ideia ao produto final (vertente informativa), com o objetivo de facilitar a transmissão de saberes ancestrais e promover a sua divulgação a nível turístico.

Contempla uma área destinada a acolher os produtos locais e artesanais (vertente expositiva), constituindo-se como uma mostra representativa da oferta local, o que irá contribuir para valorizar a marca Albufeira como destino turístico que para além do sol e da praia aposta nas tradições.

Com vista a preservar, transmitir e adaptar antigos saberes à realidade atual, o projeto engloba uma área de formação (vertente formativa) vocacionada para diferentes tipos de público: cidadãos em geral e alunos das escolas que pretendam ficar a conhecer melhor as várias técnicas de artesanato e turistas que queiram participar numa experiência de visita marcante.

O novo Centro de Artes e Ofícios de Albufeira irá funcionar também como residência temporária de artesãos (vertente incubadora), que passarão a dispor de um espaço privilegiado de trabalho, onde poderão promover os seus artigos e ensinar a sua arte, numa lógica de incentivo à criação de novas empresas na área do artesanato.