Sete Maravilhas de Portugal: Turismo do Algarve espera que votos compensem Sagres

  • Print Icon

Lamentando que, há dois anos, a comissão portuguesa da UNESCO tenha feito cair a candidatura de Sagres, depois de uma intensa preparação do dossiê de candidatura e das obras levadas a cabo na povoação, Hélder Martins criticou o estado de degradação a que chegou a Fortaleza.

“É bom que isto [o concurso] também sirva para que se possa fazer um investimento na conservação do monumento”, disse, acusando o Instituto Português do Património Arquitectónico (IPPAR) de “receber os três euros de cada visitante mas depois não investir naquele espaço”.

Recordou que a vila do extremo ocidental algarvio é o local mais visitado do Algarve e o terceiro a nível nacional, depois de Fátima e dos Jerónimos, pelo que “merecia ser tratada condignamente”.

Em 2003, a comissão portuguesa da UNESCO decidiu inviabilizar a candidatura de Sagres a património mundial, propondo que a vila fosse englobada numa candidatura mais abrangente, da Costa Vcentina, com todo o território dos Concelhos de Odemira, Aljezur e Vila do Bispo.

“O problema é que, para isso, era preciso que toda a gente se pusesse de acordo, sobretudo os donos do terreno, que são as câmaras municipais, e a candidatura ficou condenada ao congelador”, lamentou, precisando que o novo dossiê ” nem sequer tem a concordância dos municípios”.

Manifestou-se satisfeito por o júri ter feito integrar Sagres na lista dos 21 sítios nomeados, por iniciativa das regiões de Turismo, sustentando que a inclusão “é o mínimo que se pode fazer” para compensar a vila algarvia da perda de 2002.

A ministra da Cultura Isabel Pires de Lima apresentou, quinta-feira, em Lisbo a, a lista de 21 monumentos nacionais candidatos à lista das sete maravilhas portuguesas.

Além de Sagres, fazem também parte da lista o Convento de Cristo (Tomar ), o Palácio Nacional da Pena (Sintra), o Mosteiro dos Jerónimos (Lisboa), os Castelos de Almourol, Guimarães, Marvão e Óbidos, o Convento e Basílica de Mafra e as Fortificações de Monsaraz.

Marcam também presença na lista, a Igreja de São Francisco, a Igreja e Torre dos Clérigos, os Mosteiros da Batalha e de Alcobaça, o Paço Ducal de Vila Viçosa, os Paços da Universidade, o Palácio de Mateus, o Palácio Nacional de Queluz, as Ruínas de Conimbriga, o Templo Romano de Évora e a Torre de São Vicente de Belém.

A cerimónia da Declaração Universal das “Novas Sete Maravilhas do Mundo ” realiza-se a 7 de Julho de 2007, no Estádio da Luz, onde irá decorrer, em simultâneo, o anúncio das sete maravilhas portuguesas.

Para votar nas maravilhas portuguesas basta aceder ao site www.7maravilhas.pt, ou através de telefone e SMS.

Cada participante poderá votar uma vez e escolher sete monumentos.

A votação internacional pretende angariar 50 por cento do montante para a reconstrução do Buda Gigante de Bamiyan, no Afeganistão, destruído pelos talibãs, e o restante na preservação do Património Mundial.

As receitas obtidas em Portugal serão aplicadas na restauração de um monumento nacional e, dependendo do valor angariado, a organização contribuirá para a reconstrução do Buda no Afeganistão.