Ardinas solidários fazem campanhas de Natal há 15 anos em Leiria

  • Print Icon

Começou discretamente e tornou-se uma ação de referência na nossa região. A campanha de solidariedade «Fazer o Bem Olhando a Quem», promovida pelo semanário «Região de Leiria», teve a sua primeira edição no ano 2000. Desde então nunca mais parou, angariando fundos para uma instituição de solidariedade social da região, através da venda da edição de Natal.

Também a forma como se desenrola a campanha permanece inalterada. Por se ter revelado uma fórmula de sucesso, o jornal optou por manter e até incrementar um sistema de vendas tripartido.

As empresas e instituições compram exemplares em bloco para distribuírem por colaboradores, clientes e fornecedores. As bancas dão uma importante ajuda, relembrando iniciativa aos leitores. E os ardinas solidários têm um papel de destaque. Usam um distintivo que se cola aos colaboradores e convidados do jornal que, durante vários dias, percorrem as ruas da região a vender jornais.

Ao longo de 15 anos, a única alteração registada na campanha relaciona-se com figura do mandatário que deixou de existir quando os governos civis se extinguiram. Vários governadores apadrinharam a iniciativa e participaram ativamente. No total, o «Região de Leiria» canalizou a totalidade do valor angariado para mais de 40 instituições do distrito de Leiria e do concelho de Ourém. A receita acumulada é superior a 100 mil euros.

Nos últimos anos, foi notória a redução do poder de compra dos portugueses. A campanha ressente um contexto de crise que começou há seis anos e teima em prolongar-se. De sublinhar que apesar deste contexto adverso, o jornal e os seus ardinas mantiveram os argumentos de venda.

Os cidadãos e as empresas não mantiveram a capacidade de contribuir. De qualquer modo, os valores anualmente angariados nunca envergonharam, nem justificaram o fim deste projeto solidário. Para a história da campanha ficam os anos em que a edição de Natal esgotou. E em que os ardinas, por força da sua «cantata» e boa disposição, conseguiram convencer os leitores a darem, por um exemplar, muito mais do que o preço de capa.

Na venda de rua, o valor mais alto de que há memória é de 50 euros por um jornal. O ano mais «solidário» foi 2006 com 14 500 euros angariados. Para se chegar a um valor como este, foi fundamental o contributo das inúmeras figuras públicas que se associaram ao «Região de Leiria» nestas ações, desde deputados a secretários de Estado.

Inestimável para a campanha é também a contribuição das empresas e dos municípios da região, entre os quais se destacam Leiria, Batalha, Porto de Mós e Pombal. Em 2015, a Associação Portuguesa para as Perturbações do Desenvolvimento e Autismo (APPDA) de Leiria volta a ser a instituição contemplada.

Artigo do jornal «Região de Leiria».

Edição partilhada especial de Natal

O «barlavento» aceitou o desafio que Marsílio Aguiar, diretor do «JM – Jornal da Madeira» lançou a um conjunto de títulos publicados de norte a sul de Portugal, Açores inclusive. Um projeto pioneiro e independente de partilha de histórias com objetivo de, em cada jornal regional, celebrar o Natal de todo o país. Participam na iniciativa os jornais «Aurora do Lima»; «Diário do Alentejo»; «Diário do Minho»; «Diário Insular»; «JM – Jornal da Madeira»; «MAIS/Semanário»; «Notícias da Covilhã»; «O Almonda»; «Região de Leiria».