Aljezur «protege e valoriza» os seus recursos hídricos

  • Print Icon

O município de Aljezur vai levar a cabo serviços de corte e trituração de canas, silvas, trepadeiras ou outras espécies exóticas, bem como a remoção de vegetação arbórea que se encontre em situação de risco de queda, secagem ou obstrução do leito da Ribeira de Aljezur e de outros locais adjacentes ao núcleo urbano do concelho. A autarquia pretende ainda a remoção dos resíduos sólidos que ali se encontrem indevidamente depositados.

A legislação em vigor estabelece medidas relativas à proteção e valorização dos recursos hídricos, nomeadamente a limpeza e desobstrução das linhas de águas a qual é, nos núcleos urbanos, responsabilidade dos municípios.

Verificando a necessidade de implementar estas medidas na Ribeira de Aljezur, considerou-se relevante proceder igualmente às ações em locais adjacentes ao núcleo urbano, por uma questão de valorização de património ambiental. A área intervencionada totalizará 12,6 hectares, percorrendo mais de 5 mil metros das linhas de água.

Os trabalhos, que tiveram início a 8 de abril, decorrem até final de maio, e a adjudicação dos serviços foi realizada por um valor a rondar os 32 mil euros, aos quais acresce o IVA em Vigor, à empresa Américo de Jesus & Viegas, Lda.

As galerias ripícolas são constituídas por espécies lenhosas arbóreas e arbustivas que se encontram associadas às margens dos cursos de água, formando um corredor de copas sobre o seu leito. Tratam-se de elementos fundamentais para a presença e manutenção da fauna aquática, uma vez que desempenham um papel termorregulador do ambiente ao promover o sombreamento do curso de água.

A proliferação de espécies invasoras constitui uma das causas mais importantes de perda de biodiversidade, pelo que a sua contenção e remoção é essencial. A regularização dos caudais, e a proteção contra risco de cheias são igualmente medidas de valorização destes ambientes tão sensíveis.