Algarvios estão a reciclar cada vez mais

  • Print Icon

A ALGAR apresentou «excelentes resultados» nas quantidades de resíduos de embalagens recolhidos em 2018. A empresa responsável pela recolha e tratamento dos resíduos sólidos urbanos nos 16 municípios algarvios, atingiu no último quadrimestre o valor de 12977 toneladas de material recolhido, o que representa um crescimento exponencial de 12% correspondente a um aumento de 1353 toneladas face ao mesmo período do ano transato.

A análise aos dados revelam que a ALGAR recolheu o total de 39543 toneladas de resíduos provenientes da atividade da recolha seletiva em 2018. Este excelente resultado é uma referência em termos nacionais, pois indica a separação/deposição das embalagens recicláveis pela população nos ecopontos com uma capitação de 89,9 kg/habitantes ano.

Para este desempenho contribuiu certamente o investimento realizado pela empresa em 2018, no valor de 1.415.000 euros na aquisição/instalação de 781 novos ecopontos, distribuídos pelos 16 concelhos do Algarve. Um projeto muito significativo para a região, cofinanciado pelo Programa Operacional de Sustentabilidade e Eficiência no Uso dos Recursos (POSEUR), Portugal 2020 e União Europeia, através do Fundo de Coesão.

«A colocação dos novos equipamentos já está a dar frutos pois permitiu um crescimento de 7827 metros cúbicos na capacidade de deposição, o correspondente a um aumento de cerca de 30% no número de contentores disponibilizados à população algarvia», explica a ALGAR.

Atualmente os 16 municípios do Algarve podem contar com uma rede de cerca de 3500 ecopontos, o que se traduz no rácio de um ecoponto por cada 126 habitantes.

Como resultados, de Janeiro a Dezembro de 2018, a ALGAR recolheu para reciclagem cerca de 31,8 kg/hab de papel/ cartão; 35,7 kg/hab de vidro; 18,6 kg/hab de plástico/metal.

As quantidades recolhidas pela ALGAR entre janeiro e dezembro de 2018 foram superiores às verificadas no período homólogo de 2017. De referir que a recolha de resíduos indiferenciados não teve incremento nas quantidades recolhidas no ano de 2018, o que indica uma maior adesão à separação seletiva por parte da população.

«Foi acima de tudo com a participação ativa, empenhada e consciente da população, que estes resultados foram alcançados. Verificou-se assim que as diversas campanhas de sensibilização, promovidas pela ALGAR junto dos algarvios, foram eficazes e contribuíram para estes resultados, dos quais toda a população se deve orgulhar», considera fonte da empresa.