Utentes dos transportes públicos aumentam 25 por cento no Algarve

  • Print Icon

O número de passes sociais vendidos nos transportes públicos do Algarve aumentou 25 por cento de abril para junho, superando as expectativas criadas com a entrada em vigor dos novos tarifários, que passaram a ter um valor máximo de 40 euros, numa medida introduzida pela AMAL, Comunidade Intermunicipal do Algarve.

Em junho foram vendidos perto de 5700 passes, um aumento de cerca de 1200 títulos em relação a abril, registando-se uma subida da procura quer no transporte rodoviário quer no ferroviário.

A redução de preços começou a ser aplicada a 1 de maio, com a execução do Programa de Apoio à Redução Tarifária dos Transportes Públicos, e neste momento os passes têm um valor entre os 14 e os 40 euros, sendo que na ferrovia há casos em que a redução foi de cerca de 80 por cento.

Está já prevista uma terceira fase, a arrancar em setembro, com a redução adicional de 20 por cento nos passes escolares, que já eram subsidiados pelos municípios em taxas médias de 50 por cento e vão passar a beneficiar de mais esta redução de 20 por cento.

Estes novos preços foram obtidos através de verbas do Fundo Ambiental e das autarquias.

A AMAL contribui com cerca de 1 milhão de euros por parte do Fundo Ambiental, o que representa cerca de 97,5 por cento do montante global, sendo os restantes 2,5 por cento assegurados pelos municípios.

Esta é mais uma medida da Comunidade Intermunicipal do Algarve para aumentar a procura dos transportes públicos e um passo para a descarbonização do sul do país.

A implementação deste plano é possível com o empenho das entidades envolvidas, com destaque para as autarquias e operadores de transportes, que garantem o sucesso da medida, reduzindo os encargos com as deslocações e dando um passo importante em termos ambientais, reduzindo os automóveis na via pública e os níveis de poluição atmosférica.

Outra das apostas da AMAL passa pela introdução de um passe intermodal, tendo já sido aprovada a elaboração do estudo para se decidir o modelo a aplicar e assim ser dado mais um passo para melhorar a qualidade de vida e mobilidade na região algarvia.