Quarteira vai «TransforMAR» plástico das praias em donativos solidários

  • Print Icon

Donativos serão entregues à fundação António Aleixo.

O calçadão nascente da Praia de Quarteira é um dos 15 pontos de veraneio de norte a sul do país onde marca presença, no decorrer da presente época balnear, o projeto «TransforMAR», iniciativa que visa sensibilizar para a importância de uma boa conduta ambiental nas praias e para os princípios da economia circular.

Durante dois meses, ficará instalado no local um equipamento para depósito de materiais plásticos e de metal produzidos pelos veraneantes. E uma vez que se pretende promover as boas práticas coletivas, o referido depósito conta também com uma explicação da nova sinalética de praia – «semáforos» – criada a pensar na redução de contágio pelo novo Coronavírus.

Num contexto de pandemia, aquela que é a 3ª edição do «TransforMAR» pretende ir mais longe e, nesse sentido, «para apoiar as comunidades mais fragilizadas do ponto de vista socioeconómico, atingidas por esta crise de saúde pública, irá transformar o plástico recolhido em donativos monetários para 15 Instituições Particulares de Solidariedade Social locais», nos concelhos das praias onde o projeto marca presença, mostrando que «o plástico é de valor!». No caso do município de Loulé, irá beneficiar desta ação a Fundação António Aleixo.

Outra das novidades deste ano é a participação da Brigada do Mar, um parceiro fundamental que permitirá alargar a duração do projeto, contribuindo para a limpeza de praias, e de outras zonas não concessionadas, fora da época balnear, assegurando a recolha de todo o tipo de resíduos ao longo do ano.

O presidente da Câmara Municipal de Loulé, Vítor Aleixo, sublinha «a importância deste projeto no contexto da política ambiental e no combate às alterações climáticas. Esta é mais uma ação à qual temos o gosto de nos associar, pois enquadra-se naquela que é a nossa Estratégia Municipal de Adaptação às Alterações Climáticas».

O autarca acrescenta saber «que cerca de 90 por cento do lixo que se encontra nas praias do Algarve é plástico produzido, em grande parte, por quem frequenta estas zonas balneares durante a época estival, com um impacto negativo no ambiente e que põe em causa a sobrevivência das espécies marinhas».

Por outro lado, o edil destaca igualmente «a componente de apoio social que este ano surge aliada a projeto, num momento particularmente difícil para as famílias».