Portimonense perde em Paços de Ferreira (2-1) e adia decisões

  • Print Icon

Alvinegros podiam dar um passo de gigante na garantia da manutenção mas adiam todas as decisões para a última jornada.

O Portimonense deslocou-se hoje, segunda-feira, 20 de julho, à Capital do Móvel, para defrontar o Paços de Ferreira, em mais uma partida crucial na luta pela manutenção, a contar para a 33ª jornada da Primeira Liga.

Sem surpresas no 11 inicial, Paulo Sérgio apostou na fórmula que tem dado bons resultados desde o regresso da competição, após a interrupção motivada pela pandemia da COVID-19.

O Paços entrou mais acutilante e, aos quatro minutos, Bruno Santos quase abriu o marcador após um livre cobrado por João Amaral.

Bruno Santos que, quatro minutos depois, repetiu a tentativa, desta vez com melhor resultado: João Amaral novamente a bater um livre na direita, Fali Candé e Gonda com péssimas intervenções e Hélder Ferreira, de cabeça, a assistir o lateral dos pacenses que empurrou para o fundo das redes, fazendo o 1-0.

O Portimonense lá despertou e não demorou muito a chegar ao empate. Foi ao minuto 17, também com origem num livre, cobrado por Bruno Tabata e desviado com infelicidade por Marcelo para a sua própria baliza.

A zona defensiva dos comandados de Paulo Sérgio não estava a rubricar uma boa exibição e voltou a comprometer aos 41 minutos. Bruno Santos tirou um cruzamento para a área algarvia e Willyan e Lucas Possignolo provocaram uma carambola, com uma má abordagem ao lance, permitindo a Denilson apontar o 2-1 com que se chegou ao intervalo.

Para tentar dar a volta ao contexto, o técnico dos portimonenses lançou Jackson Martinez e Henrique para a etapa complementar, nos lugares de Vaz Tê e Fali Candé. A turma algarvia ia jogando melhor e Paulo Sérgio voltou a apostar no banco para tentar materializar: introduziu em jogo Mimi e Bruno Costa, para os lugares de Júnior Tavares e Aylton Boa Morte.

À passagem do minuto 64, Dener cabeceou com muito perigo em resposta a um canto de Lucas Fernandes. A bola saiu pouco ao lado da baliza de Ricardo Ribeiro.

O Portimonense não baixava os braços e Paulo Sérgio recorreu à última substituição disponível para lançar Koki Anzai para o lugar de Willyan. A pressão algarvia foi muito intensa mas nunca se consubstanciou em golo. Faltou acerto na hora de definir e, acima de tudo, faltou gente na área, para onde foram despejados vários cruzamentos que nunca encontraram alvo.

Com este resultado, o Portimonense soma 30 pontos e fica à espera de ver o que fazem Vitória de Setúbal e Tondela. As decisões sobre a manutenção estão adiadas para a última jornada. Aí, na última ronda do campeonato, a turma de Paulo Sérgio recebe o Desportivo das Aves. A partida está marcada para domingo, 26 de julho, mas ainda não é certo que se realize – a turma avense atravessa grandes dificuldades e anunciou mesmo que não comparecerá ao jogo, decorrendo conversações entre Liga e SAD do Desportivo das Aves para tentar alterar o rumo da situação.