Portimonense «arranca» vitória preciosa em Famalicão (0-1)

  • Print Icon

Algarvios entraram em campo sabendo que, se ganhassem, conseguiam uma aproximação à zona segura da classificação. Mostraram vontade, tiveram momentos muito bons e conseguiram os três pontos com um tento de Vaz Tê.

A maior surpresa na turma de Portimão para o ataque a este difícil jogo nesta tarde de terça-feira, 30 de junho, foi a aparição de Willyan Rocha, habitual defesa-central, a fazer as vezes de Pedro Sá como trinco, numa tentativa de estancar o caudal ofensivo dos minhotos.

O pecúlio algarvio não se afigurava fácil – pela frente, uma das melhores equipas deste campeonato, o Famalicão. Juntava-se a isto um grande borrego para assombrar os portimonenses – não sabiam o que era vencer fora desde agosto, quando triunfaram em Tondela.

Após o apito inicial foi mesmo o Portimonense a dar o primeiro sinal de perigo, aos 10 minutos – Tabata fez (mesmo) tudo bem no flanco direito do ataque algarvio, fletiu para dentro e disparou em arco. A bola tinha selo de golo até que apareceu Vaná, com uma defesa inacreditável, a evitar a festa.

Mas de ameaça em ameaça, foram mesmo os comandados de Paulo Sérgio a abrir o ativo! Depois de uma perda de bola dos minhotos na sua zona defensiva, aos 17 minutos, Tabata serviu Ricardo Vaz Tê e o avançado português, reforço de inverno, não enjeitou a possibilidade de fazer o 0-1 e estrear-se a marcar pelo Portimonense.

O Famalicão tentou responder e, ao minuto 34, assustou bastante os algarvios: Pedro Gonçalves apareceu frente a Gonda, mas o guardião japonês agigantou-se e evitou o empate.

Apesar desse esboço de reação dos anfitriões, a primeira parte ia correndo bem aos alvinegros e, aos 43 minutos, Hackman teve nos pés o segundo, com Vaná a negar os intentos do ganês. Segundos depois, Tabata assistiu Aylton Boa Morte que, com a baliza totalmente aberta e a bola redondinha, atirou…ao lado. Grande desperdício do Portimonense na reta final da etapa regulamentar!

O regresso dos balneários trouxe um Famalicão mais pressionante, dispondo de duas claras chance para igualar. Primeiro, Pedro Gonçalves com um remate a testar os atributos de Gonda (53′). Depois, por intermédio de Diogo Gonçalves, aos 59 minutos, que surgiu na cara do golo, com o keeper nipónico a responder com uma defesa estupenda, desviando a bola para a trave.

O Portimonense respondeu aos 70 minutos mas Aylton Boa Morte não viajou para o norte com a pontaria afinada – desta vez, servido novamente por Tabata, surgiu em excelente posição, no coração da área, mas rematou ao lado.

Na entrada para os últimos 10 minutos de jogo, Toni Martínez ainda assustou os algarvios, com um cabeceamento que saiu pouco ao lado do alvo (80′). Daí em diante, o Portimonense fechou os caminhos para a sua baliza e trouxe três preciosos pontos para o Algarve.

Com esta vitória, a turma de Paulo Sérgio chega aos 27 pontos e fica a dois do Tondela, primeira equipa acima da linha de água, que tem, no entanto, um jogo a menos. A luta pela manutenção promete ser intensa.

Na próxima jornada do campeonato, a 30ª, os alvinegros voltam a defrontar uma equipa minhota – recebem o Vitória Sport Clube, numa importante partida marcada para sábado, 4 de julho, às 19h15.