NECI homenageou vice-campeã mundial de equitação adaptada

  • Print Icon

«Um orgulho imenso» foi o que Rita Silva, vice-presidente da NECI – Núcleo Especializado para o Cidadão Incluso, sentiu quando Lucélia Glória, utente da instituição, conquistou duas medalhas de prata nos mundiais de Special Olympics em Abu Dhabi, em março. Um feito que não foi esquecido e mereceu uma cerimónia especial, na Praia da Luz, na sexta-feira, 5 de abril.

A atleta, que competiu pela Associação de Equitação Adaptada do Barlavento (AEAB), frequenta a NECI, casa que presta apoio em diversas vertentes a cidadãos portadores de deficiência. A vitória de Lucélia Glória representa «o enorme trabalho social» desenvolvido na instituição, e que segundo a responsável, é para continuar.

Presente na homenagem a Lucélia Glória estava a dupla de técnicas que orienta a atleta. Ângela Mesquita, fisioterapeuta da AEAB, e Sue Wilson, treinadora, admitem ser «a metade uma da outra». Sue acrescenta que «a Ângela ajuda-me a perceber o que posso ou não posso fazer com os utentes, a nível físico, enquanto eu a ajudo a perceber a disposição dos cavalos em determinado dia, para os exercícios que ela propõe».

Segundo revelaram ao «barlavento», o percurso da medalhada começou em 2012, «com medo do cavalo». Depois das primeiras tentativas, foi «enorme» o pulo na autoconfiança, que teve o pico quando a atleta chegou aos nacionais, em 2017, e conseguiu o apuramento para os mundiais», culminando nesta conquista.

A fisioterapeuta explica que na competição onde Lucélia alcançou dois títulos de vice-campeã, os atletas são divididos «pela sua capacidade, em grupos de oito, que competem entre si». A portuguesa ficou «no grupo dos melhores».

Partilhando o orgulho geral pela atleta vice-campeã, a treinadora britânica Sue Wilson revelou ainda que o apuramento para os nacionais «já tinha sido excelente, para os mundiais foi algo quase inacreditável, e as medalhas foram uma conquista enorme e muito gratificante, um sonho tornado realidade».

Sobre os apoios à modalidade, a fisioterapeuta Ângela Mesquita valorizou o esforço «dos sócios da AEAB», destacando ainda o «grande apoio da Câmara Municipal de Lagos nas deslocações para os estágios de preparação dos mundiais, que eram quase sempre no norte do país». A Junta de Freguesia de Bensafrim também é importante apoio na realização de eventos. A deslocação das técnicas para os mundiais em Abu Dhabi, essa, foi suportada «por uma doação anónima», permitindo assim o acompanhamento adequado a Lucélia Glória.

Para o futuro, o objetivo é, nas palavras de Ângela, «desenvolver outras modalidades dentro do SPECIAL de equitação». Os utentes, esses, são por vezes «fáceis de motivar», existindo, no entanto, alguns que mostram mais resistência – a esses, «temos de criar o bichinho, depois de os levarmos a ver os colegas eles começam a querer também montar». A fisioterapeuta ressalva, no entanto, a importância de respeitar «a vontade e a autonomia» dos utentes, que também «sabem aquilo que querem», concluindo taxativamente: «no final, isto é uma aprendizagem constante, não só para eles, mas também para nós – aprendemos muito uns com os outros».