Município entrega os primeiros ventiladores ao Hospital de Portimão

  • Print Icon

Foram entregues ontem, dia 19 de março, à direção do Hospital de Portimão os primeiros quatro ventiladores adquiridos pela Câmara Municipal de Portimão, de um total de 24, destinados a dotar a unidade hospitalar de uma capacidade diferenciada para enfrentar a evolução desfavorável da pandemia do Coronavírus (COVID-19) na região do Algarve, em particular neste concelho.

Por serem de tipologia mais simples, foi possível captar de imediato no mercado estes primeiros ventiladores, de forma a assegurar desde logo um reforço de equipamentos naquela unidade hospitalar, quer no serviço de urgência, quer na unidade de cuidados intensivos, libertando os existentes para as situações mais graves.

A propagação global do Coronavírus levou o diretor-geral da Organização Mundial de Saúde a declarar, no passado dia 30 de janeiro, a doença como uma Emergência de Saúde Pública de Âmbito Internacional, sendo de destacar, em harmonia com o Plano de Preparação e Resposta à Doença por Covid-19, a necessidade de ser providenciado tratamento e apoio a um elevado número de pessoas, enquanto se mantêm os cuidados de saúde essenciais, visando assegurar a confiança e segurança da população.

Existem atualmente no concelho de Portimão oito casos confirmados (com resultado positivo) de infeção por Covid-19, sendo que a unidade hospitalar em causa serve todo o barlavento algarvio.

Recorde-se que, em articulação com os serviços de urgência e cuidados intensivos deste hospital de referência, visando reforçar a sua capacidade de assistir doentes críticos, o Município de Portimão aplicou a verba que estava destinada ao Grande Prémio de Portugal Formula 1 em Motonáutica, cerca de 350.000 €, à aquisição de  um conjunto de ventiladores, de diferentes tipologias, que assegurem uma reserva de emergência, de acordo com a capacidade de resposta do mercado.

Os quatro ventiladores portáteis entregues hoje são a primeira medida deste programa de capacitação urgente da resposta em saúde, permitindo libertar os equipamentos mais diferenciados para as situações mais críticas.

Na próxima semana está prevista a chegada de mais oito equipamentos de cuidados intensivos, que irão acompanhar a eventual necessidade de ampliação daquela unidade especial, bem como 12 seringas e 12 bombas infusoras, equipamentos imprescindíveis no tratamento do doente crítico.

Os restantes 12 ventiladores de cuidados intensivo que incluem 6 de última geração, e inovadores em Portugal face à tecnologia de ponta, chegarão no prazo máximo de oito a dez semanas conjuntamente com um Pulmovista, equipamento médico diferenciado único na região e um dos poucos no país. O Pulmovista permitirá verificar o recrutamento alveolar, suportando a decisão da modalidade ventilatória que melhor se ajusta ao estado do doente, representando um investimento superior a 50 mil euros.