Lagos avança com a valorização das ruínas romanas da Praia da Luz

  • Print Icon

Vai ser adjudicada a construção do Centro de Acolhimento ao Visitante do Balneário Romano da Praia da Luz.

A intervenção, que tem o valor de 312057,13 euros (acrescidos de IVA) e um prazo de execusão de 240 dias, tem como propósito criar condições para a reabertura do monumento à fruição pública, incluindo o acesso a cidadãos com mobilidade condicionada.

O programa do projeto, da autoria de Pedro Alarcão Arquitetos, prevê a conservação, valorização e divulgação deste sítio arqueológico, e contempla: a criação de um edifício de acolhimento ao visitante; a implementação de percursos de visita, hierarquicamente definidos; ações de conservação e consolidação das ruínas; a interpretação do edifício termal; ações pontuais de reconstituição que permitam ao visitante percecionar melhor a estrutura outrora existente, bem como a divulgação dos resultados obtidos e da intervenção arquitetónica implementada.

O programa de intervenção compreende trabalhos de interpretação da estrutura arquitetónica arruinada, bem como a sua reconstituição, comunicada de diversas formas, designadamente através de painéis informativos, colocados junto do monumento, de uma maqueta integral, que ficará exposta no espaço expositivo do edifício de apoio, e de uma simulação tridimensional virtual, com animação 3D, onde se reconstituirá o percurso dos banhistas no Balneário Romano.

O edifício e o circuito de visita propostos têm assim como objetivo «a dignificação do sítio arqueológico e a sua devolução à população, agora acompanhado de uma contextualização científica que revela a história deste edifício termal e a sua integração num importante núcleo industrial de época romana», explica a Câmara Municipal de Lagos.

De referir que esta intervenção integra o projeto «Rota das Estações Arqueológicas de Lagos» e a candidatura do município com a mesma designação, que foi aprovada no âmbito do CRESC Algarve 2020. Representa um investimento elegível de 384260,00 euros, que será financiada a 70 por cento pelo FEDER.