GRATO tem nova direção

  • Print Icon

Foi eleita por unanimidade na quarta-feira, dia 13 de março, a nova direção do GRATO – Grupo de Apoio aos Toxicodependentes, uma Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) fundada a 26 de abril de 1995. Joaquim Magalhães, empresário da construção civil é o novo presidente, que sucede a Celina Leal e Júlia Travessa.

A nova direção contempla Antonieta Guerreiro (vice-presidente), Armando Alves (tesoureiro), José Rangel (secretário) e Francisco Águas (vogal). O conselho fiscal será presidido por Analídia Perdigão e terá como secretários Pedro Pereira e José Caçorino. A mesa da assembleia geral será presidida por Fernando Gião (1º secretário), Júlia Travessa (2º secretário) e Rosa Poucochinho.

Para este mandato, o objetivo é aprofundar as já existentes parcerias e estabelecer novos contactos com outras entidades, tanto a nível local como regional, no sentido de desenvolver os seus projetos sociais em curso, sempre em estreita parceria com a Segurança Social, de que se destacam: o Atelier Ocupacional, o Apartamento de Reinserção Social (ARS); a distribuição de alimentos através do Banco Alimentar; a creche «Jardim do Sol»; a distribuição de alimentos confecionados; o serviço de distribuição de roupa; a utilização de balneário e distribuição de kit de higiene; a Casa Abrigo para mulheres; Equipa de Acompanhamento às famílias beneficiárias do Rendimento Social de Inserção (RSI) e ainda as múltiplas atividades desenvolvidas pela Equipa de Intervenção Direta.

Com um orçamento de 648 mil euros e 36 colaboradores, o GRATO pretende desenvolver as suas atividades «com criatividade e inovação, no sentido de ultrapassar todas as dificuldades existentes. A nova direção reuniu imediatamente após o processo eleitoral, com o objetivo de organizar um evento cultural que assinale o 24º aniversário o qual se celebra já no próximo dia 26 de abril.

Na atualidade, os serviços desta instituição são mais alargados. Apoia pessoas que estão direta ou indiretamente relacionadas com o problema da adição a substâncias psicoativas, e/ou outras, e presta serviços à comunidade desfavorecida e excluída socialmente, assim com adictos e as suas famílias, fazendo a prevenção, acolhimento, tratamento, acompanhamento, pré-profissionalização dos utentes e sua reinserção social, ocupação de tempos livres e sensibilização da sociedade em geral para toda esta problemática.

Ao longo do tempo, fruto das exigências cada vez maiores da população a respostas sociais, a Instituição tem atuado em todas as áreas relacionadas com a inclusão social.