Festival das Amendoeiras em Flor colocou Alta Mora «no roteiro turístico»

  • Print Icon

Primeira edição do Festival das Amendoeiras em Flor, em Alta Mora, teve «muito êxito».

O sucesso do evento foi, segundo o município de Castro Marim, «fruto do trabalho, da dedicação e da entrega da Associação Recreativa, Cultural e Desportiva dos Amigos da Alta Mora (ARCDAA) e dos habitantes desta povoação do interior do concelho que, com certeza, se consolidou no roteiro turístico da região».

O Festival surgiu na sequência do sucesso dos passeios pedestres «Amendoeiras em Flor», organizados pela ARCDAA há já 15 anos e que angariavam cada vez um maior número de participantes.

Assim, este ano, com o apoio do programa 365 Algarve e do município de Castro Marim, lançou-se o Festival das Amendoeiras em Flor, que se traduziu numa grande estratégia de promoção e sensibilização para aqueles que são os valores e as tradições da serra algarvia, a sua força identitária e a inocência da autenticidade do território, bem como para um dos seus principais recursos endógenos – a amêndoa, tão apreciada na doçaria regional.

Na sessão de abertura marcaram estiveram o presidente da ARCDAA, Valter Matias, o presidente da Câmara Municipal de Castro Marim, Francisco Amaral, e o Secretário de Estado da Descentralização e da Administração Local, Jorge Botelho, cujos discursos se concentraram nas melhores formas de combate à desertificação e despovoamento do interior da serra algarvia, uma luta antiga e que corre contra o tempo.

Foram dois dias intensos e cheios de atividades, onde se destacaram os passeios pedestres, com mais de 1000 participantes, a confeção de uma torta de 40 metros, com 35 quilos de amêndoa, descascada e partida pelas gentes da terra durante três meses, e o workshop de plantação de 50 amendoeiras, que já farão parte da idílica paisagem mosqueada de rosa e branco da próxima edição do Festival.

Esta iniciativa é também uma forma de incrementar o crescimento de mais plantações de amendoeiras, numa estratégia que procura rentabilizar as várias vertentes do produto, que pode passar pelas artes, desporto de natureza ou gastronomia.

Outra das grandes atrações do evento foi a Aldeia do Artesão, um espaço recuperado pelos moradores em que se recriaram antigas profissões e modos de vida do campo, com a participação dos artesãos do concelho.

A «aldeia esquecida» foi o centro das atenções durante este fim-de-semana, «prova viva de todo o potencial turístico, gastronómico, desportivo e cultural por explorar na serra algarvia. Todos os detalhes contribuíram para este resultado e também foram tidos em conta os valores ambientais, com particularidades como pratos biodegradáveis, copo único e reutilizável, carros elétricos para transporte durante o evento e uma decoração exímia, desde flores de amendoeira em materiais reciclados e crochê», considerou Castro Marim.

O município «esforça-se por apoiar fortemente as iniciativas que emergem da sociedade civil, por garantirem o envolvimento da comunidade e assim fazerem a diferença num Festival com alma, capaz de se vir a afirmar um dos grandes eventos culturais da região».

Entre os diversos apoios de Castro Marim, nomeadamente a nível logístico, um destaque para a disponibilização de transporte gratuito pela autarquia, através da iniciativa Linha Azul, um projeto da Câmara Municipal que procura aproximar a comunidade local e turística dos seus patrimónios.

O I Festival das Amendoeiras em Flor foi organizado pela ARCDAA com o apoio do 365Algarve e do município de Castro Marim, as parcerias da Junta de Freguesia de Odeleite, Associação Odiana e Associação Artística Satori e a colaboração da ADRIP (Associação de Defesa, Reabilitação, Investigação e Promoção do Património Natural e Cultural de Cacela), da concessionária MSCar, da empresa de segurança Especial1 e da Escola de Hotelaria e Turismo de Vila Real de Santo António.