Rogério Bacalhau quer Ambifaro a gerir parquímetros da cidade

  • Print Icon

Sobre o impasse dos parquímetros na cidade, o presidente da autarquia farense revela que a proposta regressa à Assembleia Municipal ainda durante o mês de junho.

Entretanto, na terça-feira, dia 11 de junho, realizou-se uma reunião de Câmara com uma nova proposta para dar autorização à Ambifaro, a gestão dos parquímetros.

«O processo vai começar rapidamente e no início do verão teremos os parquímetros a funcionar. Pelo menos esse é o nosso desejo, temos ainda de aguardar que a Assembleia Municipal delibere nesse sentido», refere Rogério Bacalhau, presidente da Câmara Municipal de Faro.

Já o saldo da gerência do ano anterior, relacionado com uma execução em termos de receitas excecionais, totalizou os 9 milhões de euros.

O autarca contou ao «barlavento» que se trata de um valor «muito acima daquilo que estávamos à espera, e que foi incorporado no Orçamento para 2019.

Estão neste momento a decorrer algumas dezenas de concursos para se efetuarem obras até ao final deste ano. Durante o verão, talvez daqui a um ou dois meses, vamos começar a ter um conjunto de intervenções alargadas em todo o concelho», disse.

Em termos de eventos de verão, segue-se a 5ª edição do Alameda Beer Fest, com mais de 250 variedades de cerveja. «Vão ainda haver novidades no Baixa Street Fest que, apesar de ainda estamos a acordar algumas coisas, volta para mais uma edição», revela.

«Vamos ter, como já é hábito, a Concentração Motard que é um evento de grande notoriedade para o concelho e com um impacto económico extraordinário. Depois encerramos o verão com o Festival F. O cartaz está neste momento a ser fechado e, ainda este mês, será apresentado com todas as suas novidades. Este é um certame que já está consolidado e que queremos manter com este figurino, onde juntamos o património, à nossa cultura, às artes, à literatura, à música portuguesa e a tantas outras coisas», antevê Rogério Bacalhau.

«Neste momento já podemos verificar que Faro deixou de ser uma cidade exclusivamente de serviços, para passar a ter uma componente turística muito importante para o concelho. Importante a nível económico, a nível social, na criação de empregos, na afirmação perante a região, mas também em termos de panorama nacional e internacional», conclui Rogério Bacalhau.