Faro já ostenta a bandeira de «Cidade de Excelência» 2019

  • Print Icon

O município de Faro recebeu na tarde de ontem, segunda-feira, dia 8 de Julho, a bandeira «Cidade ou Vila de Excelência» de nível III.

Esta distinção foi atribuída pelas «boas práticas implementadas no âmbito dos trabalhos de qualificação da cidade e pela política de mobilidade implementada».

A entrega deste terceiro galardão ao município «reconhece o manancial de planos, projetos, ações ou iniciativas, em contexto de acessibilidade de mobilidade suave, que tiveram ou terão lugar no espaço público de Faro, almejando assim tornar este núcleo urbano cada vez mais num espaço que prime pela acessibilidade universal e pelo foco nos modos suaves de deslocação», explica a Rede de Cidades e Vilas de Excelência, entidade responsável pela distinção.

Para Rogério Bacalhau, presidente da Câmara Municipal de Faro, esta atribuição «é uma honra e uma responsabilidade acrescida». O autarca acrescenta que «por um lado, há a satisfação de, pela terceira vez, vermos reconhecido o trabalho que tem sido feito no âmbito da planificação e da concretização da requalificação do espaço público; depois, há naturalmente um acréscimo de expetativas que nos obriga a todos a pensar e a executar de forma ainda mais cuidada a nossa intervenção».

Para Rogério Bacalhau, o galardão representa, acima de tudo, «um trabalho de continuidade, que tem ganho estruturação e visibilidade desde a elaboração do Plano de Mobilidade e Transportes, aprovado em Novembro de 2018».

Paula Teles, presidente do Instituto de Cidades e Vilas com Mobilidade, salientou o empenho da Câmara Municipal de Faro «em duas áreas de excelência fundamentais: a acessibilidade e a regeneração e vitalidade urbana», acrescentando que os projetos apresentados «estão concretizados e em bom caminho».

Por fim, a responsável frisou ainda «a ação de implementação de modos acessíveis para todos nas diferentes infraestruturas de interesse público em Faro», num concelho que é já «um caso de excelência no âmbito da acessibilidade para todos e da mobilidade pedonal e ciclável».