Coronavírus: VRSA prolonga medidas restritivas impostas à população

  • Print Icon

Uso de máscara na rua é «recomendado».

A Câmara Municipal de Vila Real de Santo António anunciou que, «na sequência da evolução epidemiológica da pandemia COVID-19 no concelho, e a fim de minimizar as probabilidades de contágio», irá prolongar, até ao final do mês de outubro, a aplicação de «um conjunto de medidas mais restritivas de isolamento e proteção da população».

Através desta decisão, a edilidade «procura desenvolver ações concretas para travar a propagação do novo Coronavírus, procurando manter em funcionamento a generalidade do comércio e serviços, mas de uma forma regrada e segura».

A exceção passa pela abertura gradual dos equipamentos desportivos municipais, a partir do dia 16 de outubro, nomeadamente das piscinas municipais, que passarão a funcionar apenas por marcação antecipada (via telefone e e-mail) e com lotação limitada. Este aligeirar das medidas, neste contexto, é possível «pois todos os equipamentos desportivos dispõem de um conjunto de procedimentos e planos de contingência, de forma a assegurar a proteção e segurança de praticantes e funcionários».

Assim, a autarquia de VRSA mantém em vigor diversas medidas restritivas como a suspensão de todos os eventos culturais realizados em equipamentos municipais; a proibição de festas privadas, nos termos já previstos pela Direção Geral de Saúde (DGS), e reforço da fiscalização; o respeito pelo cumprimento escrupuloso dos horários de encerramento dos estabelecimentos, de acordo com as regras definidas a nível nacional e a suspensão de todos os mercados e feiras.

Juntam-se outras medidas já veiculadas pelo município, como a recomendação do uso de máscara de proteção individual em todas as situações de contacto com outras pessoas, inclusive na rua, a solicitação da colaboração das forças policiais para uma implementação rigorosa da normativa nacional e municipal relacionada com o combate à pandemia, identificando os infratores e aplicando as sanções previstas na lei, e a obrigatoriedade do uso de máscara e cumprimento de todas as medidas de higiene e distanciamento social nos equipamentos municipais.

O executivo municipal deixa ainda um apelo «ao reforço do espírito de civismo e disciplina já mostrado pelos munícipes ao longo desta crise, evitando todos os contactos pessoais e profissionais não essenciais, bem como todo e qualquer comportamento de risco».