Comissão de Utentes do SNS de Portimão convoca manifestação

  • Print Icon

A Comissão de Utentes do Serviço Nacional de Saúde (SNS) de Portimão convocou uma concentração/ manifestação para sábado, dia 15 de fevereiro, às 15h30 horas, em frente à unidade de Portimão do Centro Hospitalar e Universitário do Algarve (CHUA).

«O Algarve continua a ser uma das regiões mais afetadas pelas políticas de degradação do Serviço Nacional de Saúde. As políticas de desinvestimento público, de encerramentos de serviços, de fusão e concentração de unidades hospitalares, de encerramentos e concentração de extensões dos Centros de Saúde, de racionamento de meios, de manutenção das taxas moderadoras, são, entre outras, marcas do ataque verificado ao longo de anos ao SNS», justifica a comissão em nota enviada às redações.

A criação do Centro Hospitalar do Algarve (CHA), «sem a construção de um Hospital Central de referência, não veio em nada melhorar a situação dos hospitais existentes, sendo que em relação ao Hospital de Portimão com os muitos problemas que tinha, estes não só não se resolveram, como se agravaram», lê-se ainda.

«A falta de condições de trabalho e atendimento no hospital de Portimão, os elevados tempos de espera para as consultas e cirurgias, o estado do Serviço de Urgências, a gritante falta de médicos, enfermeiros e auxiliares, juntam-se às justas reclamações de utentes e profissionais do sector. Os cuidados públicos de saúde têm piorado em quantidade e qualidade, e com isso facilitam-se as condições para uma gradual transferência dos cuidados de saúde para os grandes grupos privados que operam no sector, e que

sobrevivem à custa dos bolsos dos doentes e dos recursos públicos que são desviados do SNS», denunciam os utentes.

Assim, aquela comissão «não pode deixar de se manifestar contra o estado agravado do SNS, em particular no Hospital de Portimão, exigindo ao governo resposta a estes problemas. Insatisfeitos com esta realidade, os utentes do Hospital de Portimão não desistem de uma luta que é justa e necessária e exigem do atual governo as respostas que tardam».

Desde já, a comissão «apela à participação dos utentes, profissionais de saúde e de toda a população de Portimão e barlavento algarvio nesta concentração, onde será exigida uma resposta aos problemas identificados».

O mote do protesto será «pelo direito a nascer no Hospital de Portimão. Por mais meios, por mais

profissionais, e por um melhor Serviço Nacional de Saúde. Afirmamos, a saúde é um direito consagrado na Constituição da República Portuguesa, não é um negócio».