Almargem e Loulé promovem sessões online sobre plantas invasoras

  • Print Icon

Sessões são gratuitas mas carecem de inscrição.

A Associação Almargem, em parceria com a Câmara Municipal de Loulé, irá dinamizar, nos próximos dias 23 e 24 de junho, duas ações online sobre a temática das plantas invasoras, destinadas a diferentes públicos-alvo.

Trata-se de uma iniciativa integrada no projeto «Loulé – Cadoiço e Megalapiás», que a Almargem se encontra a desenvolver com o objetivo de promover a valorização e divulgação de duas áreas de grande interesse ambiental, geológico, cultural e social do concelho de Loulé: a Ribeira do Cadoiço e os Megalapiás do Barrocal.

Reconhecendo que «a presença de uma elevada densidade de plantas exóticas, com potencial invasor, poderá ter impactos negativos nos territórios, não apenas do ponto de vista ambiental, pretende-se desenvolver estas ações como forma de informar e sensibilizar para esta problemática já que toda a população poderá ter um papel ativo na prevenção e resolução do mesmo».

A primeira ação online – Ação de Formação Teórica – acontece dia 23, das 14h30 às 17h30, destinada a técnicos de administração pública regional e local. Nesta sessão, será feita uma introdução à problemática das invasões biológicas e descritas as principais etapas de gestão e controlo das espécies de plantas invasoras mais comuns da região

Já no dia 24, das 21h00 às 22h30, o público em geral poderá participar numa Ação de Sensibilização onde será feita uma breve introdução às plantas invasoras, o que são e como as controlar, e serão promovidas as boas práticas de gestão e controlo das mesmas.

Ambas as sessões são gratuitas mas com inscrição obrigatória, sendo conduzidas por Elizabete Marchante, investigadora na área das invasões biológicas no Centro de Ecologia Funcional da Universidade de Coimbra, e Hélia Marchante, professora na Escola Superior Agrária de Coimbra e investigadora no Centro de Ecologia Funcional da Universidade de Coimbra. Ambas se dedicam à divulgação deste tema e dão apoio em projetos de gestão/controlo de plantas invasoras.

As plantas invasoras são plantas não nativas que se desenvolvem muito rapidamente e escapam ao controlo do Homem, invadindo sistemas naturais, seminaturais ou antropizados e causando prejuízos ambientais e económicos elevados.

Ao tornarem-se espécies dominantes, reduzem a biodiversidade, uma vez que fazem uso dos recursos necessários à sobrevivência das espécies indígenas, afetando o equilíbrio ecológico, aumentando o risco de propagação de incêndios, acelerando a degradação dos solos e prejudicando a saúde pública, favorecendo a propagação de pragas e doenças.