Albufeira mostrou alojamento para os sem-abrigo à Ministra do Trabalho

  • Print Icon

Ana Mendes Godinho visitou a cidade algarvia.

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, esteve na quarta-feira, 13 de março, em Albufeira, numa vista ao alojamento que o município de Albufeira possui para os sem-abrigo do concelho, atualmente alojados num «hostel» situado nos Brejos, com capacidade para 43 pessoas.

A Ministra fez-se acompanhar pelo gestor da Estratégia Nacional de Integração dos Sem-Abrigo, Henrique Joaquim. Estes responsáveis foram recebidos pelo presidente da Câmara Municipal, José Carlos Rolo, pela vice-presidente e vereadora da Ação Social, Ana Pífaro e pela vereadora responsável pela Proteção Civil, Cláudia Guedelha.

A ministra congratulou a autarquia pela solução apresentada nesta fase da pandemia, tendo José Carlos Rolo expressado a sua «preocupação sobre esta matéria, mas também todo o trabalho que o município tem feito» em torno do problema.

Na agenda da política atual, está a realização de um Plano de Integração de Pessoas sem-abrigo. Por parte do C.A.S.A. – Centro de Apoio aos Sem-Abrigo de Albufeira, os responsáveis afirmam acreditar que «este foi o primeiro passo de uma grande caminhada».

O edil albufeirense ficou «satisfeito» com esta visita, na medida em que «reconhecem o valor de um trabalho que está a ser feito de modo estruturado e pensado, para bem de todos, especialmente daqueles a quem o infortúnio entrou nas suas vidas de modo muito cruel».

O Autarca não deixou de frisar «o trabalho de todos aqueles que têm lutado para o sucesso deste projeto de alojamento, alimentação, saúde e acompanhamento dos sem-abrigo, assim como todos aqueles que, de modo anónimo, muito têm contribuído para um futuro melhor destes cidadãos. A todos os que se têm envolvido, o nosso grato reconhecimento».

José Carlos Rolo prosseguiu afirmando que «a minha satisfação ficará completa quando vir estas pessoas que aqui estão, neste alojamento, a terem a vida digna que todos merecem. Vou ficar tranquilo apenas quando estas pessoas tiverem as suas casas, o seu trabalho, a sua harmonia e a saúde de volta. Até lá, continua a ser uma preocupação minha, sobre a qual não descansarei até devolver a dignidade e o bem-estar a quem mais precisa. E aí, sim, dentro das nossas possibilidades, quando assegurarmos a integração social destes cidadãos é que ficará dada uma resposta cabal».