Albufeira abre concurso público para construir 40 fogos em Paderne

  • Print Icon

Município de Albufeira abriu concurso público destinado à construção de 40 fogos de habitação social em Paderne, num investimento total de 3 milhões 896 mil euros (mais IVA).

A construção destes 40 fogos em Paderne faz parte da política habitacional da autarquia que incluiu um conjunto mais vasto de medidas, nomeadamente a construção de habitações a custos controlados, aquisição de terrenos para construção, aquisição de apartamentos para arrendamento a custos acessíveis, programas de renda condicionada e arrendamento jovem, entre outro tipo de apoios, que visam mitigar o problema habitacional existente no concelho.

O presidente da Câmara Municipal de Albufeira refere que para além da construção destes 40 fogos em Paderne está, também, prevista a construção de mais 70 fogos em Fontainhas (Ferreiras), dois blocos com 28 fogos na Rua Samora Barros e 26 fogos junto ao Mercado Municipal dos Caliços, em Albufeira, que irão avançar até ao final do ano.

«Há uma enorme dificuldade em arrendar casa em Albufeira, sobretudo a preços compatíveis com os rendimentos das famílias e dos jovens que pretendem iniciar o seu projeto de vida, situação que dificulta, também, a fixação de profissionais em várias áreas de atividade, nomeadamente no turismo, educação, saúde e construção civil, entre outras. Por isso a habitação é uma das principais prioridades do Município que recorre a diversos instrumentos para mitigar o problema», reconhece José Carlos Rolo.

Através de subsídios de apoio ao arrendamento, o município comparticipa até 60 por cento do valor total das rendas, sendo que atualmente usufruem deste apoio um total de 290 agregados familiares, num investimento anual na ordem dos 500 mil euros.

Há também a destacar o Programa «Mais Habitação», uma ferramenta que privilegia a construção de habitação, mas também medidas consideradas fundamentais como: a renda condicionada que prevê uma renda mensal com valor inferior ao mercado de renda livre e o arrendamento jovem, destinado a jovens até aos 35 anos.

Em paralelo, a autarquia desenvolve esforços no sentido de encontrar habitações prontas ou em condições de serem reabilitadas para arrendamento a preços acessíveis, bem como no que respeita à aquisição de terrenos para construção de novas habitações.

José Carlos Rolo sublinha que o problema da habitação não é exclusivo de Albufeira, mas porque atualmente também faz parte da realidade do concelho «deve ser encarado como uma prioridade, uma vez que condiciona a qualidade de vida das pessoas e o desenvolvimento da economia».