• Print Icon

Tráfego aéreo gerido pela NAV Portugal caiu mais de 50 por cento no primeiro semestre de 2020. Aeroporto de Faro foi onde se sentiu a maior retração relativa de tráfego. Torre de Controlo de Faro contabilizou menos 70,9 por cento de movimentos neste período.

A NAV Portugal geriu 8537 voos (IFR) em junho, uma quebra de 87,9 por cento face ao mesmo mês de 2019, quando foram controlados mais de 70 mil movimentos.

Mas apesar dos valores continuarem bastante abaixo do ano passado, é de salientar que de maio para junho se registou um crescimento superior a três mil voos em Portugal.

Olhando para o acumulado do primeiro semestre fica notório o forte impacto na aviação das medidas tomadas para a contenção da COVID-19. Entre janeiro e junho, a NAV controlou 179542 voos no céu sob responsabilidade portuguesa, isto quando nos primeiros seis meses de 2019 tinham sido 393 mil.

Numa análise mês a mês, é de sublinhar que nos dois primeiros meses do ano o tráfego controlado pela NAV estava em linha com os números de 2019, mas que a partir de março, com o gradual avanço de medidas de combate à disseminação da COVID-19, incluindo encerramentos e limitações de espaços aéreos, o tráfego entrou em queda abrupta.

Em março, a NAV geriu 42177 mil voos (-35 por cento em comparação com março de 2019) e em abril pouco mais de quatro mil (-94 por cento), tendo este sido o mês com menos movimentos em todo este período, iniciando-se uma tímida recuperação desde então, já que em maio a NAV controlou 5408 movimentos (-92 por cento) e em junho 8537 (-88 por cento).

Evolução do tráfego (IFR) mensal em 2018, 2019 e 2020

Evolução semestral por Torre

Olhando individualmente para cada uma das Torres de Controlo da NAV, entre janeiro e junho deste ano foi no Algarve que se sentiu a maior retração relativa de tráfego.

Faro contabilizou 9692 movimentos (IFR) nos primeiros seis meses do ano, menos 70,9 por cento que no período homólogo. No lado oposto, encontram-se o Aeroporto de Cascais e de Santa Maria, que registaram quebras de «apenas» 31 por cento no período.

Já nas duas Torres de Controlo da NAV Portugal com maiores níveis de tráfego, Lisboa registou menos 55,4 por cento de movimentos no primeiro semestre do ano, com apenas 47.031, e o Porto menos 56,2 por cento, fechando o período com 21160 voos.

Também as Torres de Controlo nos aeroportos da Madeira (-56 por cento), Porto Santo (-50,7 por cento) e Ponta Delgada (-50 por cento) registaram quedas superiores a 50 por cento no tráfego, com 5445 movimentos no Funchal, 5710 em São Miguel e 608 no Porto Santo.

Já na Horta e nas Flores o tráfego caiu 44 por cento e 49 por cento, para 2832 e 399 movimentos no primeiro semestre respetivamente.

Evolução semestral por RIV

Quanto à evolução do tráfego dividido por cada uma das duas regiões de informação de voo (RIV) controladas pela NAV, a quebra foi mais sentida na RIV Lisboa.

Esta RIV, com 671000 km2 e que inclui Portugal Continental e o Arquipélago da Madeira, incluindo o céu sobre a costa portuguesa e o Atlântico até às ilhas madeirenses, acumulou uma quebra de 56,1 por cento no tráfego entre janeiro e junho, caindo de 313,9 mil movimentos para 137,7 mil.

Já na RIV de Santa Maria, que totaliza 5,18 milhões de km2 e inclui uma vasta área do Oceano Atlântico Norte e o Arquipélago dos Açores, a quebra foi de 47,3 por cento, com os 79,2 mil voos realizados no primeiro semestre de 2019 a darem lugar a 41,7 mil no mesmo período deste ano.

Tal como se verifica em relação aos dados globais de tráfego, tanto na RIV de Lisboa como na RIV de Santa Maria, o nível mais baixo de tráfego foi atingido em março, com os valores a melhorarem ligeiramente desde então, numa recuperação que se deve intensificar em julho.

Os primeiros dias do mês, aliás, já dão sinais disto mesmo: No último fim de semana de junho a Torre de Controlo do Aeroporto do Porto geriu 91 partidas/chegadas, ao passo que no primeiro fim de semana de julho o total subiu para 223.

Já a Torre de Lisboa passou de 151 movimentos no fim-de-semana de 26/27 de junho para 362 partidas/chegadas no fim-de-semana de 4/5 de julho.

A NAV Portugal é o prestador de serviços de navegação aérea no espaço aéreo sob responsabilidade de Portugal, que está dividido em duas regiões.

A Região de Informação de Voo (RIV) de Lisboa, com 671000 km2, abarcando Portugal Continental e o Arquipélago da Madeira; e a Região de Informação de Voo de Santa Maria, com 5,18 milhões de km2, que inclui uma vasta área do Oceano Atlântico Norte e o Arquipélago dos Açores.

A NAV conta com uma equipa de cerca de 1000 técnicos altamente qualificados que asseguram a segurança de passageiros e aviões 24 horas por dia, 365 dias por ano. Além dos centros de controlo de tráfego aéreo de Lisboa e Santa Maria, a NAV gere as Torres de Controlo de Lisboa, Porto, Faro, Funchal, Porto Santo, Santa Maria, Ponta Delgada, Horta, Flores e Cascais.