57 espetáculos, 19 companhias e dois workshops saciam no FOMe

  • Print Icon

Festival apresenta marionetas de grandes e pequenas dimensões, teatro, circo, humor, histórias suspensas, palhaços, danças e instalações.

O Festival de Objectos e Marionetas e Outros Comeres (FOMe) está de volta com propostas que vão desde espetáculos de teatro de sombras a experiências gastronómicas. Desta vez o cartaz acontece de 13 a 28 de setembro, no concelhos de Albufeira, Faro, Loulé, Olhão, São Brás de Alportel e Tavira.

«Este evento já se afirma como um festival internacional, embora sem deixar de dar destaque às companhias portuguesas. Este ano criámos novas parcerias e há espetáculos em 27 lugares: auditórios, cafés, museus, esplanadas, associações culturais, teatros, bibliotecas, pousadas, jardins e largos. Para esta edição temos mais propostas e até experiências gastronómicas», revelou Jeannine Trévidic, diretora artística do FOMe, em São Brás de Alportel, no final de tarde de segunda-feira, 2 de setembro, durante a apresentação do programa do FOMe.

«Tal como no ano passado, a programação será em rede e os espetáculos vão circular pelos seis municípios, mas sempre em locais e contextos diferentes, proporcionando experiências diferentes para os artistas e para o público», acrescentou.

Ainda segundo Jeannine Trévidic, «a abertura e o fecho do FOMe decorrem em Faro com dois espetáculos de rua. O Largo do Carmo recebe, no dia 13, marionetas de grande dimensão pela companhia alemã Dundu. O encerramento caberá ao artista Pedro Tochas, no dia 28, no Largo da Sé, com o tradicional lançamento do balão» artesanal, feito pelo mestre Tó Quintas, inventor e o principal cenógrafo da ACTA – A Companhia de Teatro do Algarve.

«Vamos ter uma exposição de marionetas do artista Jorge Cerqueira que fazem de mote a duas experiências gastronómicas. Juntam-se também duas experiências ao espetáculo Janet de Helenandjohn e uma outra ao da Companhia húngara Mikrópodium».

Haverá também dois workshops. O primeiro, de sombras tradicionais turcas, à responsabilidade do mestre Cengiz Ozek, decorrerá no Teatro Lethes, em Faro e será dirigido aos profissionais da área.

O segundo, é para jovens a partir dos 11 anos, e será ministrado por João Ricardo Barros de Oliveira. Esta ação promete juntar os aprendizes num concerto de chávenas, pires e bules, no Auditório do Solar da Música Nova, em Loulé.

Marlene Guerreiro, vice-diretora da Câmara de São Brás de Alportel, que marcou também presença na ocasião, quis deixar uma mensagem. «É muito interessante ver um público cada vez maior a aderir a esta iniciativa, a perceber o valor que pode ter. É sempre com muito gosto que cedemos os nossos espaços e a nossa terra para acolher arte. Façam de nós uma marioneta cultural», brincou.

Todos os espetáculos são gratuitos. No entanto, as salas e as experiências gastronómicas carecem de reserva.

«Esperemos que o público apareça esfomeado!», concluiu Jeannine Trévidic.